Quem é quem: Sudeste concentra 53,5% da banda larga fixa


Relatório analítico da Momento Editorial em parceria com a Futurion mostra que o crescimento das competitivas foi o segundo maior em percentual, na região, correspondendo a um aumento de 28,27% em um ano em sua quota de mercado, com 727.972 novos acessos.

Cidade do Rio Janeiro - Crédito: Frrepik
Cidade do Rio Janeiro – Crédito: Frrepik

Dos 39,1 milhões de acessos da banda larga fixa contabilizados em junho deste ano pela Anatel, 20,9 milhões, nada menos que 53,5% do total de acessos, estão no Sudeste. Na comparação ano a ano houve um acréscimo de 10,36%, passando de 18,7 milhões de acessos em junho de 2020 para 20,9 milhões em junho de 2021.

Os dados fazem parte do relatório analítico Quem é Quem na Banda Larga Fixa Competitiva no Brasil, produzido pela consultoria Futurion, Análise Empresarial, em parceria com a Momento Editorial. Nesse capítulo, estão os dados da região Sudeste, que agrega quatro estados – São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo, concentram 1.668 municípios e contribuem com 53,13% do PIB nacional.

PUBLICIDADE

A região lidera também em número de habitantes. Vivem 89,6 milhões de pessoas, 42,02% da população brasileira. Abriga o maior número de empresas: 4.632.540. Conforme os dados da Anatel e Futurion, operam na região 2.954 prestadores de internet, somando as grandes operadoras, competitivas, satelitais e os ISPs.

Espírito Santo tem 222 ISPs; Minas Gerais, 843 ISPS; Rio de Janeiro, 569 ISPs e São Paulo, 1.590 ISPs.

Novos acessos

Segundo o relatório, os 2,1 milhões de novos acessos na região representam 45,3% do total de novos acessos agregados à base nacional. O estado de São Paulo acrescentou 1,3 milhão de linhas; Minas Gerais teve 541,2 mil novos acessos; Rio de Janeiro, 221,7 mil, e Espírito Santo, 79,3 mil novos acessos. A região também registrou crescimento nos acessos em fibra óptica e com velocidades superiores a 34 Mbps.

Além disso, dos 8,7 milhões de acessos em fibra óptica agregados a base nacional, 43,8% foram no Sudeste, com 3,83 milhões em acessos por meio da fibra; dos 11,4 milhões de acessos com velocidade acima de 34 Mbps registrados no país, 46,85% foram no Sudeste, com 5,3 milhões novos acessos nessa velocidade.

De acordo com os dados do relatório, as grandes operadoras respondem por 60% dos acessos da banda larga fixa na região, somando 12,8 milhões, seguidas pelos ISPs, com 5,4 milhões e as competitivas, com 2,5 milhões de acessos. As satelitais têm 112,6 mil clientes no Sudeste. Chama a atenção na região o número de provedores regionais com mais de 15 mil clientes: 60 ISPs.

No entanto, o documento destaca que 4% dos municípios não têm nenhum ISP operando. Os dados da Anatel também mostram que houve um surpreendente aumento de 180,74% no número de acessos com velocidade acima de 34 Mbps no Sudeste.

No período analisado, a Vivo apresentou uma perda em sua base na região, com redução de 89.495 acessos; a Oi teve redução de 13.409 acessos, enquanto a Claro teve crescimento de 1,53% na região, agregando cerca de cem mil clientes em sua base.

Os ISPs que operam no Sudeste passaram de 2.608 para 2.917 e o aumento de acessos da banda larga fixa provida pelos ISPs foi de 1.619.924 linhas nos 12 meses analisados. O crescimento das competitivas foi o segundo maior em percentual, correspondendo a um aumento de 28,27% em sua quota de mercado, com 727.972 novos acessos.

O mercado da banda larga por satélite, aponta o relatório, tem sofrido uma grande transformação nos últimos anos, com a migração dos acessos dos satélites em bandas C e Ku, que possuem velocidades mais baixas e custo mais elevados para os satélites de alta capacidade (HTS – High-throughput satellite).

Leia aqui o documento completo:

Clique para acessar o ck.php

PUBLICIDADE
Anterior Para críticos da venda da Oi Móvel, parecer da SG traz remédios acanhados
Próximos Portabilidade numérica chega a 70 milhões de transferências em 13 anos