Quanto valerá a Infraco em quatro anos? O CEO da Oi responde


Na apresentação do plano estratégico trienal da Nova Oi, feita hoje, 19, a analistas de mercado, o CEO da Oi, Rodrigo Abreu, chamou a atenção para a valorização da Infraco. Uma fatia de 57,9% do ativo foi vendida recentemente a fundos geridos pelo banco BTG Pactual e à Globenet, empresa também do BTG, pelo equivalente a R$ 12,9 bilhões. O que representa um valor de mercado de pouco mais de R$ 20 bilhões.

PUBLICIDADE

Para o CEO da Oi, Rodrigo Abreu, o futuro da Infraco será próspero. E, apesar de a companhia ter se desfeito do controle, será capaz de colher parte dos louros em função da manutenção de uma participação de 42,1% na empresa de infraestrutura.

Mas quão próspero será a Infraco? Para Abreu, muito. Na conferência, ele estimou que o valor de mercado da Infraco vai atingir R$ 54 bilhões até 2025. Isso representa dez vezes o EBITDA a ser alcançado – portanto, de R$ 5,4 bilhões.

A métrica considera um valor de mercado de 10x o EBITDA, em linha com o que vem sendo praticado no mundo para empresas de infraestrutura. Como o EBITDA (lucro antes impostos, amortizações e depreciações) vai crescer 49% ao ano até lá, acredita o executivo, o valor de firma da empresa também vai se multiplicar.

Essa valorização do ativo é considerada porque a Oi vendeu a Infraco tendo como cláusula a possível saída, ou pelo menos redução, de sua fatia no futuro. Acontece um IPO da Infraco, por exemplo, ao preço de mercado de R$ 54 bilhões em 2025, a Oi receberia R$ 22 bilhões por sua participação de 42,1%.

O cenário é hipotético, mas foi citado por Abreu para justificar que a venda gerou valor imediatamente para o grupo, e seguirá gerando valor pelos próximos anos diante de uma perspectiva positiva de expansão da banda larga por fibra óptica no país. Embora os executivos da Oi nunca tenham escondido a intenção de, após a venda, levar a Infraco à Bolsa.

Operação

A parceria entre Infraco e Oi também vai trazer resultados operacionais, afirmou Abreu. O custo para cada residência passada com fibra (HP, na sigla em inglês), deve cair dos atuais R$ 270 para R$ 140 até 2025. Isso graças ao modelo de expansão em que há financiamento da Infraco e utilização da força de campo de 20 mil técnicos da Serede, que continua a ser da Oi.

A modernização do parque para OLT XGSPON, o aumento da supervisão dos equipamentos instalados na casa dos clientes, a expansão da rede subterrânea e da rede aérea com segmentos menores de fibra, que vão gerar menos interrupções, também estão por traz dessa redução do custo por HP.

Anterior Lista de bens reversíveis será mais transparente no sítio da Anatel
Próximos Pix troco e Pix Saque sob pressão para adiamento