Qualcomm propõe uso da 5G para transmissão de TV aberta terrestre


A fabricante de chips Qualcomm tem projeto para fazer da 5G não apenas uma tecnologia celular, mas também um padrão utilizado por emissoras de TV aberta em todo o mundo para transmitir programação. A empresa desenvolveu o que chama de 5G Standalone Broadcast, e cuja padronização está sendo feita pela entidade global 3GPP.

Segundo Francisco Soares, vice-presidente de relações governamentais da Qualcomm para a América Latina, a tecnologia pode ser utilizada tanto por radiodifusores, quanto por operadoras de telefonia móvel, para irradiar sinais de TV.

PUBLICIDADE

No caso dos radiodifusores, seria utilizado o espectro que eles já detém, de 600 MHz, e também a infraestrutura de torres. No caso das operadoras, as transmissões se dão no espectro da rede móvel, como 3,5 GHz.

O grande diferencial do sistema proposta reside na capacidade de trocar o “broadcast”, ou seja, transmissão de uma torre para múltiplos lares, pelo modelo “unicast”, de transmissão “um para um”. Ou seja, cada device pode receber um conteúdo específico a partir da mesma frequência. Com isso, exemplificou, fica mais simples restringir a cobertura de uma programação a uma cidade.

Para o executivo, a tecnologia também encerra de vez as disputas pelo uso dos whitespaces, as frequências livres de radiodifusão em diferentes áreas do país, por trazer eficiência à alocação do espectro disponível. Ele participou de painel do evento online Streaming Brasil, realizado pelo site Teletime, nesta terça-feira, 27.

Tecnologia sob análise do Fórum SBTVD

A proposta da Qualcomm concorre com outras soluções que visam aperfeiçoar a TV aberta no Brasil. O Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre selecionou o padrão da empresa para realização de pilotos do que batizou de TV 3.0 ao longo de 2021.

Mas há outras tecnologias na disputa da terceira geração de TV aberta. O SBTVD também analisa as tecnologias Advanced ISDB-T, padrão japonês próximo ao atual padrão brasileiro, o ATSC 3.0, modelo norte-americano, e o DTMB-A, chinês. Todos estes também integram os pilotos do Fórum para tecnologias de transmissão, previstos para terminarem na segunda metade do ano.

Anterior Banco do Brasil lança carteira digital no segundo semestre
Próximos Sai a lista de cidades que serão atendidas pelo PGMU V