Proposta de Baigorri reduz para 43,4 mil erbs 5G que deverão ser instaladas


Inicialmente, a ideia era fazer instalar uma antena para cada 10 mil habitantes entre 2021 a 2027 nas cidades com mais de 30 mil habitantes, o que somaria 65,8 mil sites. O voto apresentado hoje estabelece uma antena para cada 15 mil habitantes, o que reduz a obrigação para 43,8 mil erbs.

PUBLICIDADE

A modelagem do edital de licitação da faixa de 3,5 GHz, a principal frequência para o ingresso da tecnologia 5G no país, apresentada hoje, 1 de fevereiro, pelo conselheiro Carlos Baigorri, mas cuja decisão foi adiada por pedido de vista do presidente Leonardo de Morais, acabou incorporando a proposta da área técnica da Anatel e reduzindo as obrigações de instalação de Erbs (estações rádio-bases) por parte das empresas que comprarem o espectro.

Na versão de seu voto que circulou na semana passada, Baigorri dimensionava a necessidade de compromisso de cobertura de instalação de sites da tecnologia 5G nos municípios com mais de 30 mil habitantes a instalação de uma estação para cada 10 mil habitantes, o que levaria à obrigação de instalação de 65.880 sites até o ano de 2027, quando terminariam as obrigações estabelecidas no edital. Os técnicos da agência alertaram, no entanto, que essa premissa não era “razoável”, visto que “importaria a previsão de mais estações 5G no país do que o somatório de todas as estações com as outras tecnologias do celular”.

Na apresentação de hoje ao Conselho Diretor, Baigorri assinalou que as metas previam a instalação de uma erb para cada 15 mil habitantes, acompanhando, assim, a proposta da área técnica, reduzindo de 65 mil para 43.872 o número de sites que deverão ser instalados nos 1.174 municípios do país com mais de 30 mil habitantes.

Conforme a modelagem, as operadoras que comprarem as licenças nacionais de 5G (deverão ser colocadas à venda quatro licenças nacionais de 80 MHz)  começam com as obrigações de cobertura nas capitais dos Estados e Distrito Federal até dezembro de 2021 na proporção mínima de uma estação para cada 50 mil habitantes, passando para uma estação para cada 15 mil habitantes a partir de 2023, mantendo essa proporção até atingir os municípios com mais de 30 mil habitantes, em 2027.

As empresas que comprarem as licenças regionais de 5G (a proposta é de colocar à venda oito blocos regionais da faixa de 3,5 Ghz) terão que instalar Erb 5G nos municípios com menos de 30 mil habitantes, sem estarem vinculadas à proporção por habitante.

Estações

Conforme as projeções da Anatel, existem hoje no país 56.565 Erbs ativas divididas entre Claro, Vivo e TIM. Se uma nova empresa comprar os 80 MHz nacionais colocados à venda, terá que instalar 10.968 sites como compromisso de cobertura. As demais operadoras, que poderão utilizar as antenas existentes, deverão instalar as 13.180 estações previstas.

Anterior Satélite estrangeiro também será ressarcido, defende Baigorri
Próximos Nova regulamentação do Padis, para chips, é editada pelo governo