PromonLogicalis reestrutura liderança na América Latina


A PromonLogicalis está mexendo em sua estrutura organizacional na América Latina. A principal novidade é a nomeação de João Albanezi como vice-presidente executivo, tornando-se o principal executivo da empresa no Brasil. Com a mudança, Rodrigo Parreira, que acumulava a liderança da operação brasileira, passa à função de CEO Latam, e acumula interinamente a liderança das operações no México e na região Andina.

“Sendo o Brasil responsável pelo maior volume de negócios na região, é natural que seja necessário um olhar dedicado do principal executivo”, explica Parreira, que continua baseado no escritório de São Paulo.

PUBLICIDADE

Há 28 anos no grupo Promon, Albanezi já atuou em diversas posições estratégicas, sendo a mais recente a liderança da área comercial da PromonLogicalis, na função de vice-presidente de vendas. O executivo é formado em Engenharia pelo Inatel, possui pós-graduação em óptica pela Unicamp e MBA pela Fundação Getúlio Vargas.

A empresa realizou também alguns ajustes no âmbito da gestão latino-americana. Visando a dar maior ênfase aos processos de regionalização, governança corporativa e práticas de gestão, a empresa passa a ter formalmente uma estrutura LATAM, que engloba as áreas de apoio e desenvolvimento de negócios regionais.

Assim, Ana Kliemann responde como diretora jurídica e de compliance para a América Latina; Renata Randi torna-se diretora de marketing, alianças e estratégia para América Latina; Tânia Casa assume a diretoria de relações humanas para toda a região, e Ivan Cozaciuc passa a ser diretor de qualidade e processos para toda a região – os três últimos acumulam também as funções que já exerciam no Brasil. Também compõem a estrutura Latam o CFO, Cassio Moura; o diretor de sistemas e informação, Luis Esposito; o gerente-sênior de auditoria interna, Marcos Bedendo, e Anderson A. André, diretor de negócios regionais.

Anterior Oi encerra 2014 com investimentos de R$ 537 milhões no Distrito Federal
Próximos Bancos: canais digitais se consolidam em acesso e volume de transações