Procuradores dos EUA querem barrar venda de MVNO da América Móvil para a Verizon


Uma das maiores transações de venda de uma operadora móvel virtual no mundo pode naufragar, a depender da intenção de procuradores dos estados norte-americanos. Um grupo de 17 procuradores gerais entrou com um pedido na FCC, autarquia que regula as telecomunicações no país, para barrar a venda da Tracfone para a Verizon.

A Tracfone é uma operadora móvel virtual (MVNO) pertencente ao grupo América Móvil, do bilionário Carlos Slim. O grupo também é dono da Claro na América Latina, inclusive no Brasil. A MVNO usa a rede da própria Verizon, tem 90 mil lojas e é especializada no atendimento ao público de baixa renda. Tem na carteira de 21 milhões de clientes. Se a venda for concluída, a Verizon pagará US$ 6,9 bilhões à América Móvil, parte em dinheiro, parte em ações.

PUBLICIDADE

Para os procuradores, a compra da MVNO pela Verizon vai reduzir a competição nos EUA. A FCC já negou rito sumário para a aprovação do negócio. Segundo o grupo, as empresas não explicaram ainda como ficará a sociedade após a venda e quais reflexos haverá sobre preços praticados.

Para os representantes dos governos dos estados, a FCC precisa impor condições que protejam o consumidor, ou vetar a venda. Eles apontam que a Tracfone é uma das empresas com maior número de clientes que assinam planos de telefonia móvel subsidiados pelo governo.

Segundo a Verizon, a estratégia, com a aquisição, é crescer sua penetração na fatia de menor valor do mercado dos EUA. A companhia afirma que prosseguirá vendendo planos que se enquadram nas regras para subsídio do governo. (Com agências internacionais)

Anterior WOM vence leilão de 700 MHz no Chile
Próximos Ericsson será fornecedora do novo sistema de cobrança da Vivo