Procon preocupa-se com disputa de preços e qualidade dos serviços


Mesmo considerando que ainda é cedo para avaliar se realmente as contrapartidas estabelecidas para a fusão da Oi com a Brasil Telecom passarão da teoria para um resultado prático para o consumidor, o assessor-chefe da Fundação Procon de São Paulo, Carlos Coscarelli, tem uma expectativa positiva em relação ao surgimento de uma concorrência sadia no …

Mesmo considerando que ainda é cedo para avaliar se realmente as contrapartidas estabelecidas para a fusão da Oi com a Brasil Telecom passarão da teoria para um resultado prático para o consumidor, o assessor-chefe da Fundação Procon de São Paulo, Carlos Coscarelli, tem uma expectativa positiva em relação ao surgimento de uma concorrência sadia no mercado de telefonia com a operação. “Nossa preocupação é se vai haver realmente essa concorrência, não só com a disputa de preços mas também com a qualidade dos serviços, que é o que mais afeta o consumidor”, observou. Porém, Coscarelli lamenta “a falta de transparência do processo todo”  da aprovação da anuência prévia pela Anatel.

Para ele, as contrapartidas, como a que estabelece preços menores ou iguais aos cobrados no Estado para serviços de banda larga, podem ser benéficas para o consumidor desde que as ofertas consigam proporcionar a inclusão das classes C e D no mercado. “É positivo quando traz outros serviços como a banda larga e a TV por assinatura, desde que eles venham realmente atingir os menos favorecidos”, diz Coscarelli.

PUBLICIDADE
Anterior Concorrência foi deixada de lado, avalia Pro Teste.
Próximos “Contrapartidas atendem ao interesse da sociedade”, diz controlador da Oi.