Privatização dos Correios deve gerar R$ 4,4 bilhões em impostos ao ano, diz governo


Poder público poderá arrecadar R$ 4,4 bilhões ao ano com Correios
Crédito: Freepik

Representantes do governo disseram hoje, 24, que o Poder público poderá arrecadar R$ 4,4 bilhões por ano com a concessão dos Correios ao setor privado. Esse montante envolve a arrecadação da União, estados e municípios. A informação foi dada pelo secretário especial de Desestatização do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord, durante audiência pública sobre a privatização dos Correios no Ministério das Comunicações (MCom).

“Os Correios gozam de benefício tributário que não é percebido por nenhum concorrente. A partir do momento que os Correios forem privatizados, imediatamente se começa a cobrar um imposto que hoje ele não paga, o que representa acréscimo de mais de 4 bilhões de reais na arrecadação para os cofres públicos”, disse o Mac Cord.

PUBLICIDADE

Imunidade tributária

Se os Correios forem privatizados, “a imunidade tributária será extinta, sendo assim, a empresa que assumir os Correios terá que pagar todos os impostos federais, estaduais e municipais sobre a receita, serviços e propriedades, o que pode gerar a arrecadação de até R$ 4,4 bilhões”, explicou Mac Cord.

A imunidade tributária dos Correios foi reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que entendeu que a isenção seria uma forma de compensar os custos da universalização do serviço postal deficitários em parte dos municípios brasileiros. A empresa paga os seguintes impostos federais: PIS/Cofins e a CSLL.

Projeto de privatização

O projeto de lei que permite a privatização dos Correios foi enviado pelo governo ao Congresso em 2021. O texto já foi aprovado pela Câmara dos Deputados, mas ainda está parado no Senado e não há previsão de votação porque. Há uma resistência por parte dos senadores. A aprovação do projeto pelo Congresso é condição para que a privatização ocorra.

Trata-se de um contrato que abre caminho para a venda, que cria um marco legal para o setor postal e permite que a iniciativa privada realize os serviços. O prazo é de 40 anos, nos contatados da data da assinatura. A partir da assinatura, a concessionária terá responsabilidade exclusiva pela prestação do serviço aos usuários e de interesse social e gestão dos serviços parapostais, que serão cobrados por meios de tarifas.

A fase de transição, segundo o contrato, poderá ser de até 18 meses, contados a partir da assinatura. Nesse tempo, a concessionária passará a executar as atividades previstas no Plano de Transferência Operacional, conforme prevê edital. Com isso, a concessionária passa a ser responsável pela prestação do serviço universal postal,” assumindo a propriedade dos bens, contratos, direitos e privilégios que lhe foram transferidos”, diz o texto.

O texto prevê ainda que, a cada cinco anos, o governo vai promover a revisão do escopo do serviço postal universal, com base em relatório do órgão regulador que vai verificar a essencialidade de cada atividade.

A fiscalização da concessionária será feita pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que será transformada em Agência Nacional de Telecomunicações e Serviços Postais. Sua responsabilidade será regular e fiscalizar o setor postal (cartas, telegramas e demais correspondências).

Tarifas

No caso da prestação de serviços postais, as regras para definição da tarifa serão estabelecidas em portaria do governo e regulamentadas pela Anatel. O reajuste será anual, com base na inflação oficial do país medida pelo IPCA.

Há a previsão de uma “tarifa social” para atendimento dos usuários que não tenham condições econômicas de pagar pelo serviço de cartas e telegramas.

O contrato foi apresentado durante audiência pública pela secretária especial do Programa de Parcerias de Investimentos (SPPI), Martha Seillier.

Confira a íntegra do contrato.

PUBLICIDADE
Anterior Angola Cables implanta novo PoP em Miami
Próximos ABDI vai propor ao governo uma estratégia para atração de data centers