Prefeitura de São Paulo e Fundação Lemann vão mapear qualidade da internet nas escolas


A Fundação Lemann vai fornecer apoio técnico para desenhar e implementar um plano de melhorias de conectividade para cada escola. Prefeitura diz que vai conectar 100% das escolas até o fim de 2023 com banda larga de alta velocidade.

Prefeitura e Fundação Lemann vão conectar todas as escolas de São Paulo
Crédito: Freepik

A Prefeitura de São Paulo assinou nesta quinta-feira, 13, um Acordo de Cooperação com a Fundação Lemann para execução do Programa de Conectividade de Escolas da Prefeitura de São Paulo. Até 2023 o governo municipal quer viabilizar que todas escolas tenham internet “com qualidade de padrões internacionais”, garantindo que todos os alunos possam fazer uso da tecnologia.

Não foram divulgados os detalhes da qualidade desejada das conexões pretendidas. Segundo prefeitura e Fundação, os parâmetros de qualidade internacionais de conexão de escolas podem variar de acordo com os diferentes usos e necessidades pedagógicas. Nos Estados Unidos, por exemplo, a regulamentação prevê 1mbps por aluno. Na União Europeia planeja-se que até 2025 as escolas estejam conectadas a no mínimo 1Gbps. O que essas métricas têm em comum é o princípio de conectividade significativa, que significa que a conectividade existente nas escolas dá plenas condições para o uso pedagógico.

PUBLICIDADE

A expectativa é que praticamente todos os acessos sejam em fibra óptica. A velocidade mínima permitirá desde a realização de testes de múltipla escolha até que um professor faça uma chamada de vídeo com metade da sua turma conectada na escola, e a realização streaming de um vídeo em HD. Hoje a velocidade mínima indicada nacionalmente é de 100kbps por aluno.

A Secretaria já vem investindo no uso de tecnologia para auxílio nas aprendizagens dos estudantes, como a aquisição de 465 mil tablets para estudantes de 540 escolas do ensino fundamental e mais 40 mil para estudantes da educação infantil praticarem atividades em salas de aula e nos laboratórios. Também foram distribuídos nas unidades educacionais 48 mil notebooks direcionados aos professores.

“Esta parceria será mais uma ferramenta para auxílio dos professores e estudantes nas atividades, principalmente neste novo momento que estamos entrando na Educação, em que o uso de tecnologia estará cada vez mais atrelado ao dia a dia das escolas”, afirma Fernando Padula, secretário municipal de Educação.

Diagnóstico

O Programa de Conectividade de Escolas da Prefeitura de São Paulo prevê a realização de um diagnóstico da qualidade da internet recebida por cada unidade escolar por meio da instalação do Medidor Educação Conectada, software gratuito desenvolvido pelo NIC-br em parceria com o MEC; o upgrade da velocidade contratada, para garantir internet apropriada para o uso pedagógico; e a compra de equipamentos de infraestrutura de internet e de conectividade que forem necessários para a efetividade do programa. O monitoramento da iniciativa será publicizado pelos dados do Medidor Educação Conectada.

O Medidor já está em funcionamento como projeto piloto nas escolas da Diretoria Regional de Educação de São Mateus. O objetivo é alcançar as escolas das demais 12 Diretorias Regionais de Educação, além da DRE São Mateus. Por meio do Medidor, será possível gerar relatórios com informações sobre a velocidade da internet e analisar se ela é suficiente para atender os projetos pedagógicos da escola, entre outros dados. Com o Medidor instalado, toda a comunidade escolar poderá monitorar a qualidade da internet recebida pelas escolas do município.

Iniciativa

A Fundação Lemann já vem trabalhando com o tema de tecnologia na educação há alguns anos e, recentemente, lançou um programa para apoiar Secretarias de Educação que queiram garantir que suas escolas tenham acesso à internet de qualidade e possam utilizar tecnologia no processo de aprendizado.

“Ao conectarmos as escolas com internet de qualidade estamos dando oportunidade aos alunos da escola pública de estarem conectados com o mundo digital, garantimos maior equidade. As ferramentas digitais são importantes aliadas também para que a escola possa reduzir as defasagens causadas pela pandemia na aprendizagem. A escola conectada é boa para o aluno e também para o professor. A Fundação Lemann vê com animação a oportunidade de fornecer apoio técnico para desenhar e implementar o plano de melhorias de conectividade para cada escola e ajudar as escolas de São Paulo a se conectarem ao mundo digital”, afirma Cristieni Castilhos, gerente de conectividade da Fundação Lemann. (Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Não Me Perturbe poderá englobar mais setores em 2022
Próximos Anatel prorroga consultas de revisão do RTAC e regimento interno