Preço do minuto do celular no Brasil é o quarto menor entre 18 países, dizem teles


O preço médio do minuto da telefonia móvel pré-paga no Brasil é de US$ 0,07, já considerados os impostos, sendo o quarto mais baixo entre o cobrado em 18 países, acima apenas dos valores cobrados na China, Índia e Rússia. É o que aponta o estudo Desempenho Comparado de Preços do Celular, divulgado nesta quarta-feira (8) pela Telebrasil. O valor foi calculado com base em uma cesta composta de 100 minutos, 90% minutos de ligações entre celulares da mesma operadora, 5% para celulares de outras empresas e 5% para fixos, critérios adequados ao perfil de consumo dos brasileiros. Essa cesta custa R$ 6,9 ou R$ 15, considerando a incidência de tributos.

O estudo contrasta com os valores calculados pela União Internacional de Telecomunicações (UIT) que, no ano passado, indicava em US$ 0,74 o minuto do pré-pago, entre o mais caros entre 161 países. “Os preços da UIT foram obtidos com base no que é previsto nos planos homologados pela Anatel, que não representam a realidade do que as operadoras praticam”, afirmou o diretor executivo da entidade, Eduardo Levy. Ele disse que o levantamento serve para desmistificar a impressão de que usar o celular no país é muito caro. “Se fosse assim, o país não teria 276 milhões de linhas ativadas”, ressaltou.

No estudo, elaborado em parceria com a consultoria Teleco, considerando a cesta calculada pela UIT, o minuto cai para US$ 0,24. Já a cesta média calculada para os 18 países estudados aponta para um preço médio do minuto de US$ 0,15. Nesse caso, a cesta foi calculada pelo Telebrasil levando em conta os mesmos 100 minutos, sendo 70% gastos em ligações entre celulares da mesma empresa, 15% em chamadas para outras operadoras e 15% para fixos.

PUBLICIDADE

O levantamento divulgado pela Telebrasil sai na frente do relatório da UIT, que deve ser apresentado no final deste mês. Levy informou que a Anatel e as empresas estão trabalhando para alterar a mudança da metodologia usada pela entidade, mas admite que ainda não tiveram sucesso. “A UIT divulga dados de 161 países e todas as decisões precisam ser aprovadas por consenso, o que torna a tarefa muito mais difícil”, reconhece.

Os países analisados foram Argentina, Chile, Colômbia, Peru e México, na América Latina. Rússia, Índia e China, entre os países do BRIC. Austrália, Coreia do Sul e Japão, na Ásia. Estados Unidos e os países europeus Espanha, França, Itália, Portugal e Reino Unido. Os valores da cesta foram calculados levando em conta o que as operadoras desses países cobram nos planos divulgados em seus sites.

O levantamento aponta também a carga tributária cobrada sobre telefonia nesses países, conforme explicou Eduardo Tude, da Teleco. O Brasil é o primeiro, com 43%. Na China, a incidência de impostos é de 3%.

Anterior Auditoria classifica gestão de Bava na PT como imprudente e enganadora, diz jornal.
Próximos Saída de Bava derruba ações da Oi