Positivo Tecnologia apoia desenvolvimento e produção de ventiladores pulmonares no Brasil


Até agosto, 6.500 ventiladores pulmonares devem ser entregues ao Ministério da Saúde, resultado de uma causa que a Positivo Tecnologia aderiu e foi determinante para a fabricante brasileira Magnamed produzir, em tempo recorde, equipamentos que podem preservar milhares de vidas no Brasil.

Nessa força-tarefa – que contou com a parceria das empresas Suzano, Klabin, Flex, Fiat Chrysler, Embraer e White Martins – a Positivo Tecnologia ficou responsável por buscar e qualificar fornecedores no mundo todo. Além de negociar preços e prazos de entrega, também ajudou no processo de compra de componentes com alta demanda no mercado global, como válvulas, transdutores e a placa eletrônica, item essencial para o funcionamento dos ventiladores pulmonares.

PUBLICIDADE

“Nossos escritórios no Brasil e no exterior trabalharam orquestrados com a Magnamed e demais empresas parceiras para viabilizar a fabricação dos ventiladores pulmonares durante a pandemia. Foi preciso reunir competência, inteligência, know-how e dedicação, sem interesse financeiro, para obter as peças. Foi também desafiador achar alternativas para o fornecedor original, que não tinha tempo hábil para fornecer componentes disputados no mundo todo”, afirma Hélio Rotenberg, presidente da Positivo Tecnologia.

A força-tarefa para ajudar a Magnamed começou em 7 de abril, quando o Ministério da Saúde assinou contrato de compra de 6,5 mil respiradores mecânicos por R$ 322,5 milhões. Os ventiladores pulmonares ajudam pacientes que não conseguem respirar sozinhos e são diagnosticados como casos graves de covid-19 por apresentem complicações pulmonares.

A participação da Positivo Tecnologia no projeto com a Magnamed foi uma entre as iniciativas da companhia para minimizar os impactos da pandemia de covid-19 no Brasil. Além de adotar as recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde) para garantir a segurança de seus colaboradores , a Positivo Tecnologia se mobilizou em outras frentes para minimizar os impactos das crises decorrentes do novo coronavírus.

Por meio da unidade de tecnologias educacionais, ofereceu para escolas públicas e privadas o acesso gratuito a plataformas de ensino a distância a fim de possibilitar o ensino online de português e matemática durante a suspensão de aulas presenciais.

Também doou notebooks a famílias de comunidades com base em valores gerados com a venda de dispositivos eletrônicos durante a Campanha das Mães do Brasil Positivo. Seguindo esse mesmo propósito, a Positivo Tecnologia também está lançando em julho outra campanha. Desta vez para ajudar, por meio da reversão de vendas, o desenvolvimento social e profissional de pais em situação de vulnerabilidade social.

A Positivo Tecnologia também priorizou o atendimento de solicitações de reparo em equipamentos de informática em instituições de saúde, aumentou o prazo de garantia de produtos para evitar a locomoção não essencial de clientes e flexibilizou prazo de contratos para empresas alugarem notebooks para prática de home office. Além disso, apoiou na reestruturação da Hi Technologies, empresa que realiza exames digitais, com intuito de aumentar a capacidade de produção mensal para 20 milhões de testes de covid-19. “Ainda temos muita jornada pela frente e continuamos mobilizados com os objetivos de amenizar as consequências da crise e preservar vidas”, diz o presidente da Positivo Tecnologia. (Com assessoria de imprensa)

Anterior AWS abre acesso à tecnologia de transmissão ao vivo do Twitch
Próximos Proposta do governo eleva em mais de 200% PIS/Cofins para o setor de telecom