Polícia Federal já identificou o hacker que atacou o STJ e pediu resgate


A Polícia Federal já identificou o hacker responsável pelo ataque ao sistema de informações do STJ (Superior Tribunal de Justiça), mas ainda não revelou o nome, a nacionalidade e o sexo para preservar as investigações em torno dos colaboradores do criminoso.

Em entrevista à TV Globo, o diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Alexandre de Souza, informou que o acusado cobrou pagamento de resgate em troca da não destruição dos dados furtados do sistema. A investida já é considerada pelas autoridades como a mais grave já ocorrida contra uma instituição pública no Brasil.

Além da PF, na apuração dos responsáveis pelo crime estão a área cibernética do Exército e a Microsoft. O site do STJ está fora do ar desde a terça deve voltar no dia 9. Técnicos trabalharam para quebrar a criptografia usada pelos invasores para bloquear o acesso a máquinas e e-mails de 1.200 servidores, inclusive os magistrados.

PUBLICIDADE

E-mail para resgate

Um arquivo de texto foi deixado pelo hacker no sistema do STJ com informações que exigiam o pagamento para que os dados criptografados fossem liberados. O texto indica um email para retorno, mas não houve tentativa de contato, pois os ministros da Corte decidiram que nenhum valor seria pago.

Nas palavras do chefe da PF, o hacker não chegou a dizer o valor do resgate, porém citou que havia um servidor na Suíça onde supostamente as informações capturadas pelo hacker teriam sido armazenadas. 

O autor da invasão ao sistema do STJ seria o mesmo que teria feito tentativa semelhante no Ministério da Saúde, que havia atribuído os problemas a questões internas. São também atribuídas ao mesmo hacker as tentativas de invasão aos sites do Governo do Distrito Federal.

TSE no alvo

Segundo o colunista Ancelmo Gois, de “O Globo”,  o ciberataque foi planejado há três meses e tinha como alvo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Informou ainda que já foi identificada uma empresa estrangeira que teria funcionado como centralizadora do ciberataque. Tanto o TSE quanto o STF (Supremo Tribunal Federal), o Executivo federal quanto o GDF reforçaram medidas de segurança para evitar ameaças de invasão.

Anterior Apagão no Amapá afeta redes de telecom, ativas apenas em locais prioritários
Próximos Surf Telecom negocia com distribuidoras de energia para crescer no mercado de microcrédito