Plano Mais Brasil da Microsoft pretende conectar desempregados a oportunidades de trabalho


A Microsoft anunciou hoje, 20, o plano Mais Brasil, em uma aliança com o Ministério da Economia. A divulgação aconteceu em um evento virtual, com presença de Marcos Pontes, Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações e  Carlos da Costa, secretário especial de produtividade, emprego e competitividade do Ministério da Economia.

Por meio da doação de créditos de nuvem para o Sistema Nacional de Emprego (SINE), o plano Mais Brasil visa conectar trabalhadores a vagas de empregos relevantes, enquanto conduz outros para cursos profissionalizantes. Com isso, se espera atingir 25 milhões de brasileiros.

PUBLICIDADE

Além disso, o plano está incluído na “Escola do Trabalhador 4.0”. Essa plataforma de ensino remoto foi desenvolvida pela Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia (SEPEC/ME) em parceria com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). A Microsoft justamente com a ONG de tecnologia, Softex, irá oferecer 20 cursos profissionalizantes de tecnologia. Os cursão vão desde alfabetização digital até módulos mais avançados de computação em nuvem, IA e ciência de dados. A plataforma tem capacidade de atender até 5,5 milhões de pessoas até 2023

Expansão da nuvem

No mesmo evento, a Microsoft também divulgou a expansão de sua infraestrutura de nuvem. A nova região datacenter será a Brazil Southeast Region, baseada no Rio de Janeiro. Nela, a empresa oferecerá os serviços de nuvem: Microsoft Azure, Microsoft 365 e Dynamics 365 e Power Platform. Desses, Azuera já está disponível, Microsoft 365 estará até o fim deste ano, enquanto Dynamics 365 e Power Platform apenas na primeira metade de 2021.

A Microsoft lançara também as  Zonas de Disponilidade na região em 2021, que são locais isolados de falhas em uma região do Azure. O serviço fornece energia redundante, resfriamento e rede, e suporte a aplicações com maior disponibilidade e tolerância a erros para falhas de datacenter, a fim de atender fluxos de trabalho de missão de risco.

Inteligência Artificia na Amazônia

O terceiro ponto do evento foi a utilização de IA na floresta amazônica, com o intuito de se evitar queimadas e desmatamentos. O projeto está previsto para a próxima estação de seca e conta com a colaboração da Vale e da Imazon. A partir de uma série de indicadores de predição, como estradas ilegais abertas em regiões florestais e dados de imagens de satélite, o Imazon será capaz de prever as zonas de desmatamento mais prováveis.

“Com os investimentos em qualificação, a expansão de nossa infraestrutura de nuvem e o compromisso de apoiar iniciativas sustentáveis que preservem o diverso ecossistema brasileiro, pretendemos promover mais inovação e crescimento no País”, declarou Tânia Cosentino, presidente da Microsoft Brasil. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Senado referenda primeira diretoria da ANPD e nomes vão para sanção presidencial
Próximos Americanet quer levar 5G para 500 municípios de SP