PL com privatização dos Correios chegará em breve ao Congresso, diz Economia


Segundo o ministro das Comunicações, Fábio Faria, caberá ao Congresso Nacional definir a modelagem de venda dos Correios. Para subsidiar a decisão o BNDES irá apresentar o plano contratado de uma consultoria. E disse que a EBC, por ser deficitária, não será privatizada, mas haverá PDI.

A proposta de projeto de lei para a privatização dos Correios já foi aprovada pelo Ministério da Economia e está recebendo os retoques finais do ministro das Comunicações, Fábio Faria e será enviada “rapidamente” para o Congresso Nacional. É o que assegurou hoje,29, Martha Seillier, secretária Especial do PPI do Ministério da Economia, durante o Painel Telebrasil.

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, em live organizada pelo portal Uol, disse hoje também que caberá ao Poder Legislativo definir a modelagem da privatização da empresa. Segundo o ministro, como a decisão caberá ao Congresso Nacional, acredita que o modelo de venda deverá acompanhar o modelo de privatização das telecomunicações, quando houve a venda do “filé com o osso” das áreas a serem compradas.

PUBLICIDADE

Faria disse ainda que o BNDES contratou uma consultoria para estudar a  melhor modelagem, mas que esse estudo será entregue ao Congresso Nacional para que os parlamentares decidam sobre a questão. ” É na arena do parlamento que o modelo será definido, mas a carta que chegava em Tabatinga, no Amazonas, vai ter que continuar chegando”, afirmou ele.

Faria negou ainda que empresas de encomendas digitais – como Amazon, Mercado Livre ou Magazine Luiza – tenham formalizado o interesse em comprar os Correios, conforme tinha anunciado semanas anteriores. Segundo ele, essas empresas são potenciais interessadas, mas a formalização somente irá ocorrer quando a privatização for iniciada.

EBC

Faria disse ainda que a EBC, empresa de TV pública, não será mais privatizada, porque ela é deficitária em R$ 500 milhões ano. Mas anunciou que está sendo elaborado um PDI (Plano de Demissão Incentivada), cujos recursos virão de venda de ativos da empresa.

Anterior TIM propõe uso da OpenRAN para o Brasil reverter o atraso na 5G
Próximos 5G é prioridade do governo, afirma secretária do PPI