Pirataria de TV paga quadruplicou em 2 anos no Brasil, diz AMX


O declínio do mercado de TV por assinatura tradicional, que sofre com a competição dos aplicativos de streaming em todo o mundo, é ainda acentuado no Brasil devido ao crescimento de uma modalidade ilegal de consumo de conteúdo: o IPTV pirata.

PUBLICIDADE

Segundo Oscar Von Hauske, Chief Operating Officer da América Móvil, controladora da Claro Brasil, o problema se tornou ainda mais dramático nos últimos dois anos. No período, a quantidade de conteúdo pirata consumido no país cresceu em três a quatro vezes.

A Claro, lembrou o executivo, lançou o aparelho Claro TV Box para fazer frente ao avanço do streaming legal, como Netflix, Amazon Prime Video, Globoplay, Disney Plus, entre outros. O produto, observou, tem tido alta demanda – lançado este ano, chegou a 190 mil usuários no terceiro trimestre. Mas esse crescimento está abaixo da fuga de clientes da TV paga comum.

“Embora esteja sendo bem aceito, não é o suficiente para equilibrar o declínio do legado e está afetando [a TV paga] em satélite e cabo”, disse.

A pirataria, acrescentou, é um problema tipicamente brasileiro, não visto na mesma proporção nos demais mercados da América Latina. Ele observou que o IPTV tornou tudo mais sofisticado, uma vez que o conteúdo ilegal passou a ser distribuído com assinatura e pagamento mensal, via Paypal, exemplificou.

“Então, o que temos visto no mercado total de TV paga é um declínio de 8% ano a ano, e foi exatamente de 8% o declínio também em nossa base de assinantes do serviço”, disse.

PUBLICIDADE
Anterior Claro acelera implantação de fibra ante aumento da competição em banda larga fixa
Próximos Bruno Dantas, do TCU, volta a suspender liquidação do Ceitec