Pesquisa do CGI.br mostra queda de acessos à rede nos telecentros e nas escolas


A quarta pesquisa TIC Domicílios, elaborada pelo Centro de Estudos sobre as Tecnologias de Informação e Comunicação e divulgada hoje pelo Comitê Gestor de Internet (CGI.br), mostra que houve um pequeno aumento dos acessos à internet em domicílios (43% da população se conectaram à rede de suas casas, contra 40% em 2007) e uma ligeira …

A quarta pesquisa TIC Domicílios, elaborada pelo Centro de Estudos sobre as Tecnologias de Informação e Comunicação e divulgada hoje pelo Comitê Gestor de Internet (CGI.br), mostra que houve um pequeno aumento dos acessos à internet em domicílios (43% da população se conectaram à rede de suas casas, contra 40% em 2007) e uma ligeira queda dos acessos por meio de lanhouses (47% em 2008 contra 49% em 2007). Os acessos no trabalho também caíram dois pontos percentuais, enquanto na escola e nos telecentos a mostra indica uma queda drástica: em 2005 (primeiro ano da pesquisa) 21% dos acessos à internet se davam via escola, percentual que caiu para 14% em 2008; nos telecentros, a queda é mais acentuada, embora tenha aumentado o número de centros públicos de acesso gratuito nesses quatro anos. A pesquisa indica que apenas 3% da população usaram um telecentro para se conectar à internet em 2008, contra 6% de 2007.

Apesar da ligeira queda dos acessos via lanhouses, o levantamento aponta que entre os brasileiros de mais baixa renda (até 1 salário mínimo) a procura pelas lanhouses tem aumentado. Essa faixa de renda respondeu por 82% dos acessos em centros pagos, contra 78% em 2007.

Os representantes do governo no Comitê Gestor de Internet que participaram da coletiva para divulgar os números não souberam explicar a razão da queda no número de acessos via telecentros e escolas constatada na pesquisa. O titular da Secretaria de Política de Informática do Ministério da Ciência e Tecnologia, Augusto Gadelha, disse que a questão dos telecentros "tem que ser analisada com precaução". "É preciso ver o uso específico que os telecentros desejam alcançar", comentou o secretário, acrescentando que os telecentros estão mais ligados a questão da educação.

PUBLICIDADE

Já Rogério Santanna, secretário de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, observou que não era possível comparar o número de telecentros, segundo ele, em torno de cinco mil a seis mil unidades, com o de lanhouses, infinitamente maior. O secretário diz que está sendo elaborado um plano de telecentros, que será apresentado ao presidente Lula, mas não deu detalhes, informando apenas que ainda não está fechado.

Anterior Senador Gilvam Borges é o relator de Rezende para a Anatel
Próximos Motorola e Nextel apresentam i9