Para técnicos da Anatel, venda do controle da V.tal não interfere na concessão da Oi


A venda do controle da V.tal, antigamente conhecida por Infraco, da Oi para a Globenet, o fundo GIC de Singapura e fundos geridos pelo BTG Pactual, pode ser levada a cabo sem óbices regulatórios, ao menos no que diz respeito à concessão de telefonia fixa.

PUBLICIDADE

Segundo apurou o Tele.Síntese, a V.tal possui bens, entre infraestrutura e equipamentos, que são utilizados para a prestação do serviço telefônico fixo comutado (STFC). Todos estes bens foram informados pela empresa e constam da lista de bens reversíveis da Oi.

Para os técnicos da agência, ainda que a Oi seja minoritária na V.tal, a empresa atacadista ainda fará parte do grupo detentor da concessão. Desta maneira entende-se que não existe empecilho regulatório relacionado à concessão para a venda do controle. Da mesma forma, entende-se que a venda do controle não carrega para os compradores as obrigações da concessão de telefonia fixa da Oi.

Conforme o Regulamento da Concessão, todo bem utilizado para a prestação do STFC, em alguma medida, precisa aparecer na relação de bens reversíveis da concessionária ou de empresas do grupo econômico a ela coligadas, controladoras ou controladas.

O processo tramita na Anatel, mas ainda não tem previsão de encerramento. No momento, os técnicos da agência estão elaborando o relatório que indicará se há algum empecilho de ordem econômica ao negócio. Este será então repassado ao Conselho Diretor, que vai dar a palavras final a respeito da venda, e dizer se haverá ou não necessidade de imposição de condicionantes.

Na Oi, a expectativa de que a venda seja autorizada pela Anatel, como foi no Cade, em algum momento do primeiro trimestre de 2022.

Vale lembrar que a concessão é alvo de uma disputa intensa entre Anatel e as operadoras. Tanto a Oi, como a Telefônica e a Claro, questionam cláusulas do contrato que dizem respeito à sustentabilidade do STFC. O assunto passa por arbitragens entre cada empresa e o regulador. Rodrigo Abreu, CEO da Oi, já disse em mais de uma ocasião que a seu ver, o resultado da arbitragem envolvendo a Oi será positivo em “bilhões de reais” para a operadora.

PUBLICIDADE
Anterior Silva conclui proposta do PL das Fake News na próxima semana. Mas votação fica para 2022, diz Lira.
Próximos Assespro manifesta preocupação com falta de mão de obra para TI