Para operadoras, PL do bloqueio de celular em presídios é inconstitucional


Shutterstock/PureSolution
Shutterstock/PureSolution

As operadoras de telecomunicações manifestaram sua contrariedade com o projeto de lei 3.019/15, aprovado ontem à noite, 7, pela Câmara dos Deputados. Segundo o SindiTelebrasil, sindicato que reúne as empresas do setor, o texto é inconstitucional por exigir que elas arquem com o bloqueio. Argumentam que os Estados deveriam pagar pelo serviços de bloqueio a empresas especializadas, que não são operadoras.

“Exigir que as prestadoras instalem os equipamentos contraria os princípios constitucionais da livre iniciativa, de defesa dos usuários e da própria adequação do serviço público”, afirma, em nota. A entidade lembra que leis estaduais, similares, foram derrubadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). No caso, leis de Bahia, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina foram questionadas na Justiça e invalidadas.

O SindiTelebrasil entende que o sistema prisional deve gerenciar o bloqueio, inclusive abrindo mão dessa possibilidade quando for interessante. “Permitindo às autoridades de segurança pública bloquear ou interceptar, com ordem judicial, eventuais comunicações dos presos”, finaliza.

Leia, abaixo, a íntegra a nota do sindicato:

“O SindiTelebrasil esclarece que as prestadoras de serviços de telecomunicações contribuem rotineiramente com as autoridades penitenciárias, prestando, quando solicitadas, consultoria técnica para que haja a melhor adequação possível de bloqueadores de sinais, tentando evitar prejuízos aos usuários vizinhos e àqueles que transitem em áreas próximas aos estabelecimentos prisionais
O bloqueio de sinais de telecomunicações em presídios é dever do Estado e deve ser tratado como uma questão de segurança pública. Às prestadoras de serviços de telecomunicações cabem oferecer os serviços e atender os seus usuários com sinais de qualidade. Já o bloqueio é feito por empresas especializadas específicas, nomeadas como “usuário de BSR”, que dominam a tecnologia de bloquear o sinal e que devem ser formalmente certificadas pelo Ministério da Justiça.
Exigir que as prestadoras instalem os equipamentos contraria os princípios constitucionais da livre iniciativa, de defesa dos usuários e da própria adequação do serviço público.
O Supremo Tribunal Federal (STF) já decidiu sobre o tema ao considerar inconstitucionais leis dos estados da Bahia, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina, que pretendiam transferir essa responsabilidade às prestadoras. Por essa razão, alguns Estados já incorporam essa responsabilidade em seus planos de segurança pública e já possuem sistemas de bloqueio em unidades prisionais.
O SindiTelebrasil entende que é importante que o sistema prisional faça a gestão dos bloqueadores de sinal, permitindo às autoridades de segurança pública bloquear ou interceptar, com ordem judicial, eventuais comunicações dos presos”.

PUBLICIDADE
Anterior Bondholders entram na Justiça contra nomeação de diretores e PSA da Oi
Próximos Pós-pago da TIM terá franquia adicional apenas para streaming de vídeo