Para impulsionar o WiFi 6E, Anatel vai liberar seu uso outdoor, afirma Caram


A agência irá adotar a Automated Frequency Coordination (AFC), afirma Vinícius Caram. Crédito-Freepik

A Anatel quer impulsionar o WiFi 6E,  banda larga fixa sem fio não licenciada, que ganhou no ano passado todo o espectro de 6GHz – 1.200 MHz – para seu  uso exclusivo, apesar da reclamação da indústria de celular. Segundo o superintendemte de Outorgas e Recursos a Prestação da Anatel, Vinícius Caram, em breve será liberado para as empresas usarem a tecnologia do WiFi 6E também em áreas externas. Atualmente o espectro só está liberado para ser usado indoor, e é uma das críticas da indústria de celular à decisão, porque teria sido destinada uma quantidade muito grande de frequência para uso muito limitado.

Para impulsionar o WiFi 6E, segundo Caram, a agência vai liberar o uso outdoor, conhecido por Automated Frequency Coordination (AFC), de apenas duas portadoras, o que vão somar 320 MHz de espectro. “Com o AFC queremos dar mais estímulo ao uso do WiFi 6. Mas se a frequência não for ocupada pelo serviço, poderemos reavaliar a decisão para a próxima Conferência de Radiocomunicação  da UIT”, afirmou o superintendente. A Conferência da UIT , que acontece a cada quatro anos, está marcada para 2023.

PUBLICIDADE

Ao apresentar o balanço da atual ocupação de espectro pelos serviços de telecomunicações durante workshop do Painel Telebrasil 2022, Caram afirmou que atualmente o serviço celular brasileiro está muito bem posicionado no que se refere à disponibilidade de frequências, com um total de 4,5 GHz. ” As operadoras brasileiras têm hoje mais espectro do que a maioria das empresas de todo o mundo”, afirmou ele.

Ressaltou que ainda há muita banda sobrando – que foi comprada, mas não está ocupada – em milhares de  municípios brasileiros. Segundo ele, existem 485 municípios onde as bandas A e B (as primeiras a serem leiloadas, com  mais de 20 anos) ainda não foram usadas ou ainda mais de dois mil municípios com espectro de 2,5 GHz livres.

Para Francisco Giacomini, da Qualcomm, a Anatel está fazendo um bom trabalho na regulação do espectro brasileiro e elogiou  a regulamentação, publicada hoje, 29, da faixa de 3,7 a 3,8 GHz, para as redes privativas. ” A situação do espectro no Brasil é muito boa, e nós já temos chips para todos os usos”, afirmou.

PUBLICIDADE
Anterior Cálculo da adaptação da concessão prevê eventual derrota da Anatel na arbitragem
Próximos Oi desliga 1,3 mil centrais do STFC em todo o Brasil