Anatel propõe mudar regulamento do espectro para ampliar seu uso


 

Hoje, 26, na webinar do Futurecom 2020, foi discutido a democratização do 5G nas periferias, áreas rurais e interior do Brasil. O superintendente de Controle de Obrigações da Anatel, Gustavo Borges, reafirmou que o investimento em infraestrutura 5G deve ser uma das principais aplicações do valor arrecadado com o leilão. Ele ainda destacou que, para maior acessibilidade do 5G, seria necessário aperfeiçoar o Regulamento de Uso do Espectro de Radiofrequências. Um dos problemas da regulação é que ela possibilita empresas comprarem espectros sem, realmente, fazer uso deles, assinalou.

Marcio Kanamaru, sócio-líder de Tecnologia, Mídia e Telecomunicações da KPMG, declarou que o 5G nas periferias depende da atuação estatal para “destravar amarras”, sem se tornar um “Estado superlativo”. Também, o leilão 5G precisa ter um caráter não arrecadatório. Assim,  esse montante poderia ser utilizado para investir em 5G em áreas menos “economicamente atraentes” para inciativa privada, segundo ele.

PUBLICIDADE

Já para a diretora Executiva da Abrint (Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações),  Alessandra Lugato, a grande expectativa com o 5G é que os pequenos provedores possam chegar ao interior do país, levando altas velocidades. Marcelo Romão, diretor de Banda Larga substituto do Ministério das Comunicações, comentou que o 5G é uma tecnologia com capacidade de democratizar o acesso à internet. Mas as  operadoras regionais precisam ser viabilizadas para que haja a presença da nova tecnologia no campo.

Ramana Rech é estagiária de jornalismo do Tele.Síntese

 

Anterior Operadoras poderão financiar leilão da 5G com debêntures incentivadas
Próximos Para operadoras, fundos podem ser extintos, mas dinheiro deve ser recuperado