Para Baigorri, mercado secundário de espectro não depende de regulação


Carlos Manuel Baigorri, Conselheiro da Anatel - Live Tele.Síntese 20/08/2021
Carlos Manuel Baigorri, Conselheiro da Anatel – Live Tele.Síntese 20/08/2021

O setor de telecomunicações tem uma avenida ampla pela frente de oportunidade para mostrar que está maduro e adotar a autorregulação em questões que hoje não precisam da atuação da Anatel, como é o caso do mercado secundário de espectro. A avaliação é do conselheiro da agência, Carlos Baigorri, durante debate realizado nesta terça-feira, 28, no Painel Telebrasil. 

Para Baigorri, o mercado secundário de espectro já está previsto no novo marco regulatório das telecomunicações e já é uma realidade. Segundo ele, nesse caso, a Anatel vai observar se há impedimentos à concorrência. Na opinião do conselheiro a agência deve focar em regulamentos principiológicos, enquanto o setor detalha as práticas, com a supervisão da autarquia. 

Baigorri acredita que, com a chegada do 5G, tecnologia disruptiva e habilitadora de novos serviços, o que não está proibido vai poder ser prestado sem óbices. Para o conselheiro, a prática da regulação excessiva da Anatel já passou e a nova geração foca mais na regulamentação econômica. 

Antenas 

Para o deputado Vitor Lippi (PSDB-SP), a importância estratégica do 5G para aumentar a conectividade e a competitividade do país, mas para isso é preciso de antena, dificuldade que as empresas ainda enfrentam. O parlamentar disse que o projeto que prevê o silente positivo já está com pedido de urgência e só falta a indicação de um relator para ser votado diretamente no plenário da Câmara. 

Lippi disse que está estudando a possibilidade de incluir no texto a isenção de licença para antenas menores, como as utilizadas para o 5G. Outra alteração que pretende fazer é reduzir de 90 para 60 dias o prazo máximo para o órgão público se manifestar quanto ao pedido de licença. 

Em outra frente, o deputado está trabalhando para a manutenção da Lei da Informática e para a manutenção da desoneração da folha de pagamento de 17 setores, que inclui empresas de call centers e softwares e que vence no final deste ano. Segundo ele, o governo até se dispõe a ampliar a desoneração para todos os setores, desde que seja instituído um imposto sobre transações digitais. “Isso ainda depende de muita negociação”, avalia.

Anterior Telecom precisa assumir papel de liderança na adoção da agenda ESG
Próximos Falta ao Brasil política regulatória coerente, diz OCDE