Para Anatel, o nível de competição no país é adequado


À exceção do mercado de TV por assinatura, a Anatel considera que nos demais mercados de telecom o Brasil conta com um nível de competição bastante desenvolvido. Ao apresentar os dados da competição nos diversos mercados, João Rezende, presidente da Anatel, destacou o acerto das medidas adotadas pela agência nos leilões de 3G e 4G tanto para ampliar a cobertura do serviço móvel, como para ampliar a competição.

O presidente da Anatel participou hoje dos debates do 40º  Encontro Tele.Síntese, em Brasília, com foco no tema da concentração do mercado de telecom. O evento é promovido pela Momento Editorial.

De acordo com os dados apresentados por ele, 82% da população brasileira e 46% dos municípios brasileiros contam com quatro ou mais prestadoras de serviço móvel e aquelas que operam na tecnologia 3G (que cobre mais da metade dos municípios) também oferecem serviço de dados. Quanto à banda larga fixa, 3% dos municípios contam com dois a cinco provedores. “O problema que temos está na TV por assinatura, onde há praticamente um duopólio entre Net e SKy”, disse Rezende, destacando que, para a Anatel, não há um nível excessivo de competição em mercados como o móvel. “O nível adequado”, destacou.

PUBLICIDADE

Concentração

Na contramão do discurso do presidente da Anatel,  Maurício Fernandes, diretor da Merrill Lynch, entende que, para aumentar a rentabilidade das operadoras, necessária para garantir o nível necessário de investimentos nas redes, a concentração é um bom remédio.
“Temos visto no mundo que as operadoras tendem a se diferenciar frente aos clientes e à sua fidelização por meio de investimento em rede. E aumento dos investimentos exige boa rentabilidade”, destacou. Por isso, segundo ele, está ocorrendo uma nova onda de concentração no mercado de telecom.

O fato de as operadoras celulares brasileiras estarem colocadas no patamar mais baixo do nível de Ebitda (lucro antes de juros, investimentos, depreciações e amortizações) frente a celulares europeias, norte-americanas e asiáticas, é mais um motivo, segundo Fernandes, para atrair a concentração.

Anterior Google escolhe novo CFO
Próximos Reforma tributária não deve dar tratamento diferente para telecom, diz ministro