Para 42% das empresas, metaverso será revolucionário


Paul Daugherty (à esq.) diretor geral de tecnologia e CTO da Accenture, durante live nesta quarta, 16 - reprodução
Paul Daugherty (à esq.) diretor geral de tecnologia e CTO da Accenture, durante live nesta quarta, 16 – reprodução

Como o metaverso vai impactar o mercado e as empresas, de forma geral? A Accenture fez um estudo sobre isso. Consultou mais de 4.600 líderes de negócios e de tecnologia em 23 setores de 35 países. Em um primeiro estágio, 42% acreditam que a nova tecnologia, que foi um dos destaques do MWC22, será revolucionária ou extremamente transformadora. De maneira geral, 71% dos executivos afirmaram que o metaverso terá um impacto positivo em suas organizações.

O resultado está na edição 2022 do Accenture Technology Vision. Denominada “Encontre-me no Metaverso: A recorrência da tecnologia e da experiência remodela as empresas”, a pesquisa foi apresentada em uma live nesta quarta, 16, por Paul Daugherty, diretor geral de tecnologia e CTO da Accenture.

PUBLICIDADE

“O metaverso é algo de hoje, não para o futuro, e vai transformar cada aspecto dos negócios”, disse Daugherty. Ao lado de David Droga, CEO e diretor criativo da Accenture, ele vai liderar o Accenture Metaverso Contínuo, grupo de  negócios criado pela empresa com o intuito de ajudar as organizações a tirar o máximo proveito dessa tecnologia.

Tendências

À frente do recado “pense grande, comece pequeno, cresça rápido”, exibido na tela, Daugherty contou que o estudo Technology Vision 2022 identificou quatro tendências principais.

A primeira é denominada “WebMe: Minha inclusão no metaverso”. Mostra que muitas das estratégias corporativas são construídas para a internet de hoje. Porém, 95% dos executivos acreditam que as futuras plataformas digitais precisam oferecer experiências unificadas, possibilitando a interoperabilidade dos dados dos clientes em diferentes plataformas e espaços.

“Mundo Programável: Nosso Planeta, Personalizado” é a denominação da segunda tendência. Segundo a Accenture, à  medida que tecnologias emergentes como 5G, computação ambiente, realidade aumentada e materiais inteligentes avançam, os ambientes digitais estarão cada vez mais integrados à malha do mundo físico.

Esses ambientes irão remodelar a forma como as pessoas se envolvem com os mundos, além de redefinir tudo o que é construído neles, incluindo o modo como as pessoas sentem, interagem e o controle que têm sobre eles.

Surpreendentemente, 92% dos executivos concordam que as organizações líderes irão ultrapassar os limites do mundo virtual para torná-lo mais real, o que aumenta a necessidade de persistência e navegação perfeitas entre os mundos digital e físico.

Em uma terceira tendência, chamada no estudo de “O Irreal: Do sintético ao autêntico”, percebe-se como negócios e ambientes contam cada vez mais com o suporte de dados gerados por IA capazes de refletir o mundo físico de forma convincente. Ao todo, 96% dos executivos relatam que suas organizações já estão comprometidas em autenticar a origem de seus dados e o uso genuíno da IA.

O surgimento de uma nova categoria de equipamentos está fazendo com que empresas de diferentes setores ampliem os limites do que os computadores podem resolver, aponta “A Computação do Impossível: Novas Máquinas, Novas Possibilidades”, a quarta tendência.

Graças a ferramentas como computação quântica e computação inspirada na biologia, as empresas já conseguem resolver problemas que podem ser muito caros, ineficientes e até impossíveis para a computação tradicional.

Entre os entrevistados, 94% concordam que o sucesso a longo prazo dependerá do uso da computação da próxima geração para solucionar desafios aparentemente impossíveis.

Concorrência

Empresas de olho no futuro já estão lidando com as incertezas dos mercados de hoje e, ao mesmo tempo, começam a concorrer no Metaverso Contínuo. A Accenture dá como exemplo a Mars, que está adotando os gêmeos digitais com o apoio da Microsoft e da Accenture.

Um dos elementos fundamentais do metaverso, o recurso ajuda na redução de desperdício, no aumento da velocidade e da capacidade, além de permitir que os colaboradores tomem decisões em tempo real em toda a cadeia de suprimentos, diz a Accenture.

“Agora, a Mars está levando esse conceito para o desenvolvimento de produtos, usando simulações digitais na hora de considerar variáveis como clima e disrupções. Assim, a empresa garante maior visibilidade, desde o ponto de origem até o local de consumo.”

Metodologia

A Accenture analisa o cenário empresarial de forma sistemática há 22 anos, para identificar as principais tendências tecnológicas e seu potencial de revolucionar negócios e indústrias. A empresa avisa que, para o relatório de 2022, o processo de pesquisa incluiu a coleta de informações do Conselho Consultivo Externo da Technology Vision, um grupo composto por mais de 20 profissionais experientes dos setores público e privado, meio acadêmico, empresas de capital de risco e empreendedores.

PUBLICIDADE
Anterior Logicalis muda o comando na América Latina
Próximos Fibracem firma parceria com a suíça Huber+Suhner