Pandemia afetou rotina de trabalho de 73% dos desenvolvedores, indica pesquisa


Com a pandemia de Covid-19, novas necessidades surgiram para 73% dos desenvolvedores de software mundo afora, sendo que aqueles que trabalham em grandes companhias sentiram o surgimento de um número maior de necessidades. Essa foi a conclusão da 19ª edição de pesquisa feita pela consultoria Slash Data, que ouviu mais de 17.000 programadores para traçar um perfil desses profissionais.

De acordo com o estudo, a maior parte dos desenvolvedores, 34%, relatou a necessidade de ter horários e cargas de trabalho mais flexíveis por conta da Covid-19. Logo atrás, 26% disseram precisar de ferramentas de colaboração e plataformas, incluindo videoconferências. Enquanto 23% responderam precisar de redes de suporte e interação “olhos nos olhos” e 0utros 14% relataram necessitar de suporte em saúde mental.

PUBLICIDADE

Com exceção da necessidade de ferramentas de colaboração, a pesquisa apontou que as novas necessidades técnicas acabaram sendo a minoria das respostas. Outras delas apontadas foram: melhor performance (13%), componentes de hardware e máquinas (9%), mais opções de segurança (7%) e mais espaço em nuvem (7%).

A pesquisa também demonstrou que a mais importante causa de influência das necessidades dos desenvolvedores é o tamanho da companhia em que trabalham. Em comparação com aqueles que trabalhavam em empresas médias e grandes, desenvolvedores independentes ou de pequenas empresas relataram um número menor de necessidades decorrentes da pandemia. Isso, especialmente, na questão de flexibilidade do horário e ferramentas de colaboração.

O motivo mais provável para isso é que o segundo grupo já teria implementado uma carga horária mais flexível. Além disso, seria mais fácil para pequenas equipes manter hábitos antigos ou manter contato por telefone, e-mail, analisa a pesquisa.

Rejeição e aprovação de nuvem 

A Slash Data também quis saber como estava a adoção dos desenvolvedores de tecnologias em nuvem. Dentre as tecnologias do tipo mais utilizadas, estão: conteiners (60%), base de dados como serviço (45%), plataforma de nuvem (32%) e ferramentas de orquestração de container (27%).

Abstração e simplificação são os dois principais fatores para a adoção em massa da nuvem, aponta o estudo. O preço e apoio/documentação foram considerados os maiores fatores de adoção de tecnologia de nuvem, exceto em orquestração de ferramentas. Em seguida, vêm os fatores facilidade e velocidade de desenvolvimento, integração com outros sistemas, curva de aprendizagem. Suitability, definição de configurações e performance foram considerados como fatores de “higiene”. Ou seja, há poucos casos em que possui grande importância e, em muitas situações, a tecnologia não satisfaz as necessidade do usuário e, por isso, é rejeitada.

O preço e apoio/documentação também são respectivamente primeiro e segundo maiores fatores de rejeição. Depois seguem suitability e definição de configurações, integração com outros sistemas, curva de aprendizagem e comunidade. A tendência é que desenvolvedores rejeitem tecnologias que não proporcionem uma experiência completa, com acesso à comunidade e suporte adequado.

*Ramana Rech é estagiária do Tele.Síntese

Anterior Operações da AT&T na América Latina registram prejuízo operacional
Próximos Franquia de internet por fibra da Vivo chega a Porangatu (GO)