País precisará de subsídio para a demanda de acessos à internet, diz MCom


Artur Coimbra, Secretário de Telecomunicações do MCom - Crédito: TV.Síntese
Artur Coimbra, Secretário de Telecomunicações do MCom – Crédito: TV.Síntese

O leilão do 5G acontece no dia 4 de novembro e, enquanto a oferta de interessados está grande, o governo precisa pensar também em um subsídio para a demanda à banda larga, seja móvel ou fixa. É o que apontou Artur Coimbra, Secretário de Telecomunicações Interino do Ministério das Comunicações, durante sua participação no Inovatic, nesta segunda, 25.

“Há uma preocupação do governo, hoje, com o lado da demanda. Há o lado da oferta, que é muito positivo, mas vamos começar a ver o lado da demanda, já que há uma limitação da demanda resultante da restrição de renda. Há famílias que talvez não tenham condições de ter acesso à banda larga”, falou Coimbra.

PUBLICIDADE

“Precisamos começar a construir e a pensar em um programa que estimule, incentive ou permita que essas famílias tenham efetivamente o acesso à internet. Somente dessa forma levaríamos a inclusão digital a todos os brasileiros”, disse.

Fibra óptica

Coimbra contou também que está nos planos do governo a inclusão de fibra óptica no programa Wi-Fi Brasil. “Já estamos discutindo isso. Há mais de 30 fundos interessados em investir no Brasil, e em provedores regionais”, comentou.

Para ele, o modelo ISP é bem sucedido no Brasil . “Já fizemos programas voltados a esse grupo e foram bem sucedidos. Já existe um movimento forte de consolidação.”

Coimbra disse que, no entanto, ainda há  entraves. “O uso do poste é um deles. É um desafio de duas décadas, que não conseguiu ser superado e envolve muitos atores.”

Segundo o secretário do MCom, há na questão um conflito muito grande entre interesses públicos. “Essa falta de solução afeta o investimento e as empresas que querem agir corretamente”, finalizou.

PUBLICIDADE
Anterior Publicado novo regulamento de satélites
Próximos SES-17 é lançado com sucesso no foguete Ariane 5