Operadoras europeias querem que big techs paguem pelas redes de telecom


Operadoras europeias. Crédito: Freepick
Crédito: freepick

Operadoras europeias pediram medidas para que as big techs dos Estados Unidos arquem com parte dos custos da infraestrutura de rede. Assinaram a carta CEOs de 13 grandes telcos na Europa, incluindo Deutsch Telekom, Vodafone e Telefónica. O pedido está sob o nome da Associação de Operadoras de Rede de Telecomunicação da Europa (ETNO).

“Grande e crescente parte do tráfego de rede é gerado e monetizado pelas plataformas das big techs, mas isso requer contínuo e intensivo investimento de rede e planejamento do setor de telecomunicações”, argumenta. De acordo com o documento, esse modelo não conseguiria ser sustentado sem investimento das plataformas.

PUBLICIDADE

Em comunicado conjunto aos reguladores da União Europeia, a ETNO pediu uma série de medidas para “alinhar intimamente as ambições digitais da Europa com uma política e ecossistema regulatório de suporte”.

Além da contribuição financeiras das big techs, as operadoras desejam uma nova estratégia industrial para melhor competir em negócios globais de dados. A Associação defende a construção de escala em telecom, como compartilhamento de rede e outras formas de cooperação.

Outra solicitação diz respeito a mais regulamentação com o intuito de fomentar investimentos em redes gigabit, valor estimad0 em € 300 bilhões. Precisam acabar os altos preços de leilões e espectros que visam forçar a entrada de players “insustentáveis” no mercado, dizem as operadoras europeias.

Os CEOs também criticaram propostas de legisladores da UE para retirar as sobretaxas de ligações internacionais. A previsão do setor é de que a medida retiraria € 2 bilhões de receita do setor em quatro anos, o que representa 2,5% da capacidade de investimento anual das telcos em redes móveis. (Com agências internacionais)

PUBLICIDADE
Anterior Tecnologias de segurança viram foco dos setores de óleo, gás e mineração
Próximos Definido o relator do processo de venda da Oi Móvel na Anatel