Oi reposiciona unidade B2B, que passa a se chamar Oi Soluções


Operadora aposta na capilaridade para atrair parceiros que queiram chegar a cidades onde hoje não alcançam. Em 2020, Capex da divisão será o dobro do atual. Meta é chegar a 2024 com 33% das receitas B2B vindas de soluções e TI.

A Oi decidiu selar a transformação digital da unidade de negócio voltada a empresas com mudança no posicionamento de marca e no escopo de atuação. O que era Oi B2B passa a ser conhecido como Oi Soluções. A divisão não apenas continuará a vender serviços de conectividade e TI, como amplia o foco em integração de serviços e tecnologias de inúmeros parceiros.

O reposicionamento da unidade faz parte da estratégia da companhia para retomar o crescimento e deixar para traz a recuperação judicial, na qual ainda está imersa. Rodrigo Abreu, COO da Oi, destacou hoje, 4, que o segmento B2B é fundamental para a perspectiva futura do grupo. “B2B hoje é o segundo maior negócio da empresa, atrás apenas do móvel. É, e continuará a ser, a maior operação B2B do Brasil”, afirmou durante apresentação para clientes e parceiros ocorrida em São Paulo, capital.

Segundo ele, o plano estratégico da Oi coloca a companhia em um rumo de crescimento que vai durar pelos próximos 25 anos. O foco recai sobre fibra óptica (FTTH), além da expansão no móvel e no segmento empresarial. “Não vai existir banda larga, 5G, serviço corporativo sem a presença da Oi”, disse, depois de afirmar que o projeto de implementação de FTTH da Oi é o maior do mundo, excluindo-se casos de operadoras da China.

PUBLICIDADE

Abreu falou também que a mudança regulatória recente, com aprovação do novo marco legal de telecomunicações, permitirá à Oi trilhar esse rumo. “O horizonte regulatório nos permitirá ter maior nível de investimento”, reiterou. E destacou que o segmento B2B vai se beneficiar disso.

Conectividade, TI e parcerias

Adriana Viali (foto), responsável pelo comando da Oi Soluções, contou que a unidade espera capitalizar em cima de suas maiores qualidades: capilaridade (presença em 5,5 mil cidades), a o atendimento personalizado (mais de 1,5 mil executivos de atendimento), expertise em conectividade e TI e a capacidade de integrar serviços e tecnologias de uma miríade de parceiros.

Nos últimos anos, diante da recuperação judicial, enfrentou questionamentos de clientes sobre sua sustentabilidade. O reposicionamento procura marcar a retomada do segmento. A executiva diz que para 2020 a Oi vai dobrar o Capex reservado exclusivamente para o segmento corporativo. A empresa não revela quanto será esse valor, nem quanto foi em 2019. Diz, porém, que nos últimos três anos a Oi realizou R$ 1 bilhão em investimentos em B2B.

“O grande mote desse reposicionamento é que não vamos a nenhum lugar sozinhos. Grandes empresas de tecnologia apostam em nossa agressividade e capacidade para crescer junto com a Oi”, afirmou.

O primeiro grande produto da nova Oi Soluções também foi anunciado hoje. Trata-se do Oi Gestão 360º. Por ele, a operadora faz a gestão de conectividade, TI, segurança e negócios para o cliente. Os ativos podem ser tanto da Oi, como de outros provedores do mercado. O caso de sucesso do novo produto vem da própria Oi, cuja disponibilidade de sistemas de TI passou de 99,5% em 2017 para 99,92% neste ano.

A CCXP19, festival de cultura pop que começa hoje, 4, em São Paulo, já recorrerá ao serviço. Ali a operadora instalou 60 Km de fibra óptica com redundância, montou a rede WiFi, implantou ferramentas de segurança anti-DDoS, videomonitoramento com analytics, servidores de edge computing e até solução de IoT (a qual vai monitorar ruído e temperatura no local).

Com o novo posicionamento a Oi Soluções espera, diz Viali, seguir expandindo as receitas obtidas com TI, que hoje são 15% do total. A unidade tem como meta aumentar este porcentual a 33% até o final de 2024.

“Nosso objetivo é claro: precisamos blindar os serviços que temos em casa e, de acordo com as necessidades dos clientes, ampliar o portfólio com parceiros, levando os serviços deles onde hoje eles não estão. Por isso a importância de parceria com a Oi”, acrescentou. A vasta lista da parceiros apresentada pela operadora inclui, para citar alguns, Ericsson, Microsoft, NEC, Cisco, Nava, Fortinet, Huawei, Globalweb.

Anterior Câmara temática vai definir projetos de IoT para cidades
Próximos Juiz derruba liminar que permitia Fox a vender canais pela internet