Oi Futuro divulga projetos artísticos que vai financiar em 2022 e 2023


Oi Futuro divulga projetos artísticos que receberão seu financiamento. Crédito: Divulgação
Crédito: Divulgação

O instituto de inovação e criatividade para impacto social da Oi, o Oi Futuro, divulgou hoje, 26, o resultado do 17º Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados. Os projetos vencedores vão compor a programação do Centro Cultural Oi Futuro, no Rio de Janeiro, ao longo de 2022 e 2023.

Na edição, venceram 22 projetos de 17 estados: Bahia, Ceará, Distrito Federal, Pará, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, “transformando o espaço carioca em um hub de conexões artísticas de âmbito nacional”. A seleção priorizou as propostas que continham experiências híbridas, imersivas e formatos inéditos de interação com o público.

PUBLICIDADE

O programa Oi Futuro destina recursos para financiamento total ou parcial de projetos artísticos (tais como festivais, espetáculos, exposições, performances e outras manifestações criativas) aprovados em leis estaduais e municipais de incentivo à cultura. O anúncio dos selecionados faz parte das ações comemorativas dos 20 anos do Oi Futuro, que apoiou cerca de 2.500 projetos.

A programação do Oi Futuro inclui festivais, como a Semana Preta de 22 (RJ), Festival Brasil: Avenida de Possibilidades (RJ), Radioca (BA), Anima Ceará (CE), Favela Sounds (DF), Latinidades (DF), e outros. Entre as atrações que compõem a programação regular do centro cultural, estão o espetáculo “Terra Desce” (RJ), solo teatral com atuação de Eduardo Moscovis e texto de Pedro Kosovski; o musical infantil “O Planeta Lilás” (RJ), adaptação da obra homônima de Ziraldo; e a exposição “Ano-Luz” (RJ), com obras do coletivo francês Le Collectif Scale.

A lista traz também iniciativas que combinam arte e consciência ambiental. São eles: Amazônia Mapping (PA), Se Rasgum Labverde (PA), Festival Cine Bike-In (RJ), Festival Morrostock (RS), e projetos focados no estímulo a novas cenas artísticas independentes e à economia criativa, como Queremos Lab (RJ), Residência Artística MMS (RJ) e Novíssimos Lab (BA).

Veja abaixo mais detalhes sobre os projetos vencedores do Oi Futuro:

  • Novíssimos Lab (BA): plataforma de aceleração da cena artística brasileira e da cadeia sonora, com foco na amplificação das novas vozes negras e periféricas;
  • Radioca (BA): o projeto promoverá uma experiência híbrida de ocupação com artes visuais, audiovisual, música e performance, combinando pesquisa e comunicação;
  • Anima Ceará (CE): festival de Animação, Game e Web com palestras e workshops para fomentar troca de experiências entre público de animação, games e novas mídias;
  • Favela Sounds (DF): o festival conecta a indústria criativa de periferias a agentes de mercado e artistas, com oportunidades de inclusão produtiva a jovens realizadores;
  • Latinidades (DF): festival de mulheres negras da América Latina em formato híbrido, com plataforma de literatura, moda, audiovisual, artes visuais, atividades infantis e conhecimento;
  • Amazônia Mapping (PA): o festival promove obras audiovisuais expandidas por meio de macroprojeções em cidades da Amazônia, conectando mundo real, metaversos, realidades virtual e aumentada;
  • Serasgum Labverde (PA): o projeto vai selecionar artistas para uma residência na floresta, que vai culminar em um espetáculo de som e imagem;
  • MADA – Música Alimento Da Alma (RN): a plataforma de cultura e empreendedorismo foca na equidade de gênero e programação voltada para mulheres;
  • Morrostock (RS): em formato híbrido, o festival promove shows, oficinas, teatro, vídeo mapping, rodadas de negócios, pitchings e residência de cocriação produtiva;
  • MATE – Música, Arte, Tecnologia e Educação (RS): encontro de arte e economia criativa com programação híbrida, incluindo apresentações artísticas, showcases, palestras e rodadas de pitching;
  • AI – Ambiente Imersivo (Programação): Instalação audiovisual imersiva com jogo de espelhos, projeções e sensores de movimento, que criam efeito de imersão e interação com o público;
  • Residência artística MMS (Programação): residência artística de formação profissional com foco nas mulheres atuantes no cenário da sonoridade popular brasileira;
  • Queremos Lab (Programação): tem apresentações on-line e presenciais de artistas periféricos, LGBTQIA+, negros e mulheres.
  • Semana Preta de 22 (RJ): festival multicultural e multiplataforma composto de intervenções de artistas pretos da poesia, artes visuais, fotografia, música, dança, moda e artes virtuais;
  • Cine Bike In (RJ): Exibições promovidas por bicicletas que geram energia para a projeção com curtas em 10 cidades de pequeno porte do RJ sem salas de cinema;
  • Festival Brasil: Avenida de Possibilidades (RJ): reúne coletivos da área da Avenida Brasil, com exposição na Favela da Maré e intervenções artísticas em pontos de ônibus e passarelas distribuídas nos 58 km da via;
  • Zona de Propulsão (RJ): plataforma híbrida e gamificada de inovação, tecnologia, games e arte, que promove a diversidade e acessibilidade;
  • Ano-Luz (Programação): a exposição apresentará obras interativas do coletivo francês Le Collectif Scale e do brasileiro Pedro Veneroso, explorando arte, ciência e tecnologia;
  • Terra Desce (Programação): peça teatral da Aquela Cia., solo teatral com atuação de Eduardo Moscovis, texto de Pedro Kosovski e direção de Marco André Nunes, dando continuidade à Trilogia Carioca;
  • Angu (Programação): o espetáculo teatral mergulha no universo do corpo do homem gay negro, com dois atores gays e negros em cena, Alexandre Paz e Orlando Caldeira, e direção de Fabrício Boliveira;
  • O Planeta Lilás (Programação): musical infantil baseado na obra de Ziraldo e uma homenagem aos 90 anos  autor infantil, comemorados em 2022;
  • Ultrasonidos (Programação): com residências artísticas que conectam artistas da América Latina, o festival desdobra sua programação com apresentações, debates e conteúdos multiplataformas;

(Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior ANPD faz acordo com o TSE para as eleições
Próximos Apenas 12 das 27 capitais têm leis que facilitam a chegada da 5G