Oi e Faro Energy fecham parceria para uso de energia solar em unidades da operadora em Minas Gerais


A Oi economizou R$ 400 milhões em 2020 com a adoção de fontes renováveis de energia. Recentemente, firmou contrato com a Faro Energy, que inaugurou no segundo semestre duas usinas, em Janaúba e Jaíba, atendendo 1.927 mil unidades consumidoras da Oi no estado de Minas Gerais. Juntas, as duas usinas evitarão a emissão de mais de sete mil toneladas de CO2 na atmosfera anualmente, o equivalente ao plantio de aproximadamente 43 mil árvores. A geração das unidades responde pelo consumo de 11 mil residências brasileiras por ano, segundo as empresas.

A Oi pretende fechar 2020 utilizando como fontes a Geração Distribuída (GD) e o Mercado Livre, com 60% de participação da energia limpa em sua matriz de consumo. O objetivo da empresa é em dois anos ter 100% de sua matriz viva proveniente de fontes renováveis.

“Temos investido em parcerias e projetos que nos permitam reduzir custos operacionais de forma eficiente e inteligente e tragam as melhores práticas do mercado para o dia a dia da companhia. Estamos diversificando a matriz de consumo, utilizando fontes renováveis com menor custo, e atuando também em ações estruturantes nas unidades consumidoras”, explica Bernardo Scudiere, diretor de Energia e Sustentabilidade da Oi.

A Faro Energy fez um investimento de R$ 45 milhões nas duas usinas e a expectativa é de que os projetos sejam ampliados na região. Entre os vários projetos que tem em construção, a empresa destaca o novo investimento que está sendo feito no norte de Minas Gerais, orçado em mais de R$ 15 milhões. Com 50 MWp de projetos em 14 estados e no Distrito Federal, a empresa pretende investir, até 2021, mais de R$ 800 milhões, podendo atingir a marca de 200 MWp sob gestão. “A parceria com a Oi vem crescendo e se desenvolvendo nos últimos meses e a Faro se orgulha de tê-la em seu portfólio de clientes”, diz Pedro Mateus, CEO da Faro Energy. (Com assessoria de imprensa)

Anterior TIM, Ericsson e Qualcomm batem recorde de velocidade 5G com mmWave em longa distância
Próximos Melchior e Moura: A saga jurídica para investimentos em telecomunicações