Oi e Conta Zap criam carteira digital para famílias de baixa renda


A Oi juntamente com a fintech Conta ZAP desenvolveram e colocaram para funcionar em cerca de 3 semanas um modelo de distribuição de recursos com a utilização de uma plataforma digital que permite realizar operações financeiras por troca de mensagens no celular.

A carteira digital possibilitará transações financeiras por aplicativos de mensagens. Os beneficiados pela ação poderão pagar boletos, contas de luz e água, fazer compras em mercados da comunidade e ativar recarga no celular de qualquer operadora.

PUBLICIDADE

A abertura da conta digital é gratuita e exige apenas o cadastro dos dados simplificados do usuário, de acordo com os procedimentos definidos pelo Banco Central para esse tipo de movimentação de meios de pagamento.

Os beneficiários estarão isentos de tarifas sobre movimentações e transferências entre usuários, pagamento de contas, recargas ou emissão de boletos. O cliente envia uma mensagem de WhatsApp para o número do Zap do Bem e só precisa se cadastrar interagindo com o chatbot da plataforma para realizar todas as transações e pagamentos disponíveis.

A iniciativa é do movimento Zap do Bem, organizado por um grupo de empresários que se uniram para apoiar populações vulneráveis em meio à pandemia do coronavírus. A ideia é que os recursos destinados sejam utilizados por moradores, comerciantes e líderes comunitários para ajudar a movimentar a economia local.

Segundo a companhia, foram realizadas doações de R$ 400 mil para o movimento. Com isso, cerca de duas mil famílias de baixa renda das comunidades do bairro Vergel do Lago, em Maceió (AL), receberam um auxílio emergencial de R$ 200,00.

Próximos passos

A Oi vinha trabalhando para lançar futuramente no mercado uma plataforma de carteiras digitais por meio de memorando de entendimentos (MOU) com a fintech Conta ZAP, que já dispõe de uma carteira de mais de 450 mil contas cadastradas.

“Decidimos já disponibilizar a plataforma para essa iniciativa em Alagoas por entender se tratar de uma solução de uso simples e que pode fazer a diferença na vida de pessoas muito necessitadas nesse momento tão crítico. Acreditamos que esse movimento tem potencial para se espalhar para outras áreas vulneráveis do Brasil”, explica o CEO da Oi, Rodrigo Abreu. (Com assessoria de imprensa)

Anterior STFC perde 150 mil linhas em março
Próximos Anatel aprova Regulamento de Obrigações de Universalização