Oi: com Infraco, provedor regional poderá atender o Brasil


O diretor de atacado e franquias da Oi, André Telles, detalhou hoje, 26, o projeto da empresa de infraestrutura óptica do grupo, conhecida por enquanto como Infraco. Durante o Inovatic 2020, evento realizado pelos portais Tele.Síntese e PontoISP, o executivo explicou que o projeto permitirá a provedores regionais ir além de sua área de atuação para todo o Brasil, sem necessidade de investir em infraestrutura.

“Com esse modelo, os parceiros não dependem de um investimento importante para fazer essa ampliação. Conseguem sair e atuar em outras regiões usando uma rede neutra. Permite sair das suas regiões e das suas limitações regionais, e ainda quem não tem uma rede, poderá entre nesse mercado”, disse.

PUBLICIDADE

Conforme o executivo, a Infraco vai nascer com mais de 130 cidades cobertas por redes de fibra óptica até a casa do cliente (FTTH). Terá ainda os 400 mil km de fibra instalada em infraestrutura de transporte ligando 2,3 mil cidades.

Telles contou que os clientes de varejo poderão contratar os serviços da Infraco por cidade. “Pode ser só no município A, ou no A e no B, ou no A, B e C, enfim, em um ou mais municípios”, falou.

A empresa, ressaltou, vai vender toda a infraestrutura de rede, da saída para a internet à casa do cliente, como se vê no gráfico abaixo. A Infraco poderá ser responsável também pelo drop (a conexão do poste final até a casa do usuário) e também pela instalação do equipamento dentro da casa do usuário e pela manutenção desse acesso. Haverá opção sem essa parte também.

O provedor que contratar a Infraco ficará encarregado apenar por marketing, vendas, faturamento e relacionamento com o cliente.

E como a rede será neutra, várias contratantes poderão disputar o mesmo usuário, inclusive a Oi Client Co, a unidade de varejo da Oi da qual a Infraco está sendo separada.

“O importante é que na separação, embora a Oi Cliente seja acionista, teremos um novo controlador, novo conselho com poder de definir estratégia”, ressaltou.

Dessa forma, e com a competição possível entre diferente provedores na mesma fibra, haverá portabilidade de clientes. Neste caso, explicou o executivo, a mudança será praticamente transparente para o usuário, com a Infraco apenas recebendo a informação de que houve a migração de provedor. “Só vamos só vamos receber a informação que o cliente não está mais na empresa A, que está na empresa B”, resumiu.

Anterior LG anuncia mudanças organizacionais e saída de CEO
Próximos Telefónica Brasil alcança 6ª posição em sustentabilidade no ranking Alas 20