Oi baixa preço do plano de 1 Gbps via fibra óptica


Funcionária da Oi implanta fibra óptica (Imagem: divulgação)
Funcionária da Oi implanta fibra óptica (Imagem: divulgação).

A Oi Fibra baixou o preço de sua oferta de 1 Gbps de velocidade de download e 500 Mega de upload. A assinatura agora sai por R$ 279,90 ao mês e é válida para todas as cidades cobertas pela empresa. O novo preço 44% mais baixo que o antiga, de R$ 499,90.

Com o abatimento a empresa faz acirra a disputa pelo novo segmento na ultravelocidade. Entre as operadoras que dispõem do mesmo serviço, a TIM cobra R$ 193,80 (no primeiro ano de assinatura) e a Algar Telecom, R$ 289. Ambas, porém, com uma cobertura mais restrita. A Claro também tem oferta de 1 Gbps, com preço de R$ 399,99, porém com upload de até 100 Mbps.

PUBLICIDADE

A Oi conta atualmente com fibra para contratação (HPs, do jargão em inglês homes passed) em 15,5 milhões de endereços distribuídos em 213 cidades no Brasil.

Segundo a Oi, o plano de 1 Gbps em fibra foi pensado para atender especialmente clientes residenciais e pequenas e médias empresas que precisam conectar diversos dispositivos ao mesmo tempo, realizam muito streaming de vídeo de alta definição ou necessitam de rapidez no upload, como é o caso de games.

O foco em fibra também faz parte da nova estratégia comercial da Oi, definida em sua recuperação judicial. A partir da venda de ativos, como a Oi Móvel para as rivais Claro, TIM e Vivo, data centers e torres celulares, a companhia passará a operar de forma mais enxuta, concentrando-se no mercado de banda larga fixa de ultra velocidade.

A recuperação da Oi, a maior já ocorrida no Brasil, deve ser encerrada até o final de maio, como adiantou o Tele.Síntese no começo desta semana. O juiz do processo, que corre no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, já determinou ao administrador judicial agilidade no encerramento de negociações pendentes com credores. (Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Senado marca sabatina de Artur Coimbra para 5 de abril
Próximos Destino de terreno trava a liquidação do Ceitec