Oi apresenta portfólio de aplicações para gestão de serviços públicos


 

Projetado pelo Freepik
Projetado pelo Freepik

Não são soluções de prateleira, mas são aplicações já desenvolvidas e que rodam em clientes da administração pública e que podem, rapidamente, ser adaptadas às necessidades de prefeituras, estados, secretarias e autarquias ou empresas públicas de qualquer parte do país, sejam elas aplicações na área de mobilidade urbana, de educação, de segurança pública e serviços de água e esgotos, entre outros. Com esses exemplos, Luiz Carlos Faray de Aquino, diretor de Marketing de TI B2B da operadora mostrou aos gestores públicos de TI, reunidos no 20 Wireless Mundi, realizado pela Momento Editorial hoje, 17, em São Paulo, as muitas possibilidades que se abrem na gestão das cidades para torná-las mais inteligentes.

Ele disse que a operadora vem subindo na escala de valor para oferecer além da conectividade pura e simples, com a oferta de aplicações a partir do tratamento dos milhões de dados de processa naturalmente usuários que usam suas redes. Mostrou como, a partir desses dados, processados de forma passiva e não personalizada, é possível saber o fluxo das pessoas e fazer o planejamento da mobilidade urbana, do trânsito e mesmo do turismo, os bairros mais frequentados, em que períodos, etc. De onde as pessoas vêm e para onde vão.

Também mostrou como por meio da IoT, ou seja do uso de sensores em coisas conectadas, como em bombas elevatórias, no caso de uma aplicação da Oi na Cedae, a companhia de água e esgoto do Rio de Janeiro, se vai faltar água. Ou ainda, com a rede videocâmeras conectadas, cujos dados e imagens são enviados para uma central de monitoramento, não só prevenir ocorrências policiais ou acionar a polícias como estabelecer os territórios de maior número de ocorrências para definição de políticas de segurança pública.

PUBLICIDADE

IoT integrada

Segundo Faray, a Oi usou o evento Comunicação, Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia, realizado no Rio de Janeiro na semana passada e do qual foi uma das patrocinadoras, para testar a integração da IoT a todas as suas tecnologias. Para receber os 15 mil visitantes em um final de semana, foi instalada uma rede de 8 km de fibra óptica, redes de telefonia móvel 3G e 4G, 110 pontos WiFi, 5 Giga de capacidade de conexão para internet, uma sala de contingência e 22 sensores de temperatura, de portas e energização.

“Nós trabalhos com integração total das equipes, 100% de disponibilidade. Dou esse exemplo para mostrar que também estamos usando as novas tecnologias dentro de casa. Temos capacidade de prototipagem para rapidamente atender as demandas do mercado corporativo”, ressaltou.

Anterior Qualcomm vai liberar gratuitamente licença do software SIM para controle de diabetes
Próximos PGR defende no STF que empresas de aplicativos obedeçam as leis brasileiras