Oi aposta firme no WiFI e libera 1,6 mil pontos para seus clientes de alto consumo


O WiFi, tecnologia que até pouco tempo era usada pelo pequeno empreendedor para entrar no mundo das telecomunicações, ou conhecida apenas pelos clientes residenciais de banda larga, virou a aposta das grandes operadoras de telecomunicações para desafogar o crescente tráfego de dados da banda larga móvel, e para dar mais uma opção de acesso à internet a seus clientes. Pois é esta a aposta da Oi, que anunciou hoje a liberação de seus 1,6 mil hotspots (incorporados à empresa com a compra da Vex, em agosto) instalados em pontos de alta concentração em todo o Brasil (shoppings, aeroportos, etc.) para os seus clientes de banda larga fixa acima de 5Mbps e de banda larga móvel acima de 2 Mbps.

“O WiFi é uma tecnologia estratégica e um diferencial de banda larga que a Oi oferece para seus clientes”, afirma Pedro Ripper, diretor de inovação e novos negócios da Oi. Esses clientes já passam a ter acesso gratuito, a partir de hoje, aos pontos WiFi da operadora em todo o país. Mas a Oi pretende lançar novos pacotes de serviços que incluam esta nova facilidade, além de vender o acesso a vulso para quem quiser.

Segundo Ripper, à medida em que os aparelhos estão vindo acesso às redes WiFi, o mundo inteiro passou a apostar nesta tecnologia complementar às bandas largas fixa e de celular. Ele explicou que, enquanto as tecnologias 3G e 4G do celular conseguem levar a internet rápida para uma área muito maior, o WiFi é próprio para locais de alta concentração populacional.

PUBLICIDADE

Fon

A operadora fechou também parceria com a Fon que compartilha os acessos WiFi residenciais e de pequenos estabelecimentos privados com a rede pública. Atualmente esta empresa tem mais de 4 milhões de hot spots no mundo. O cliente que quer compartilhar sua rede privativa torna disponível 1 Mbps de sua banda e pode ganhar uma remuneração pela comercialização deste acesso ao público. O piloto com esta tecnologia está sendo testado em Ipanema e Leblon, no Rio, juntamente com a rede Metro WiFi voltada para atender grandes concentrações urbanas outdoor.

Segundo Ripper, embora a Oi entenda que a tecnologia WiFi é complementar às tecnologias 3G e LTE do celular, a decisão da empresa de participar ou não do leilão de venda das frequências de 2,5 GH a ser lançado pela Anatel até abril do próximo ano “independe” desta visão.

Anterior Brasil passa a Alemanha e é o terceiro em número de usuários de internet
Próximos Casas com internet acima de 512 Kbps somam 77,8% do total