Oi amplia prazos do novo aumento de capital


A Oi ampliou os prazos para os investidores que se comprometeram a realizar aporte de até R$ 4 bilhões na companhia demonstrem interesse. Para investidores no exterior, localizados nos Estados Unidos e em outros países, a data limite de subscrição à oferta de direitos de preferência foi alterada para 4 de janeiro. Antes, se encerraria em 26 de dezembro.

Em comunicado ao mercado, a Oi explica que a iniciativa reflete também o fechamento de um aditivo de contrato com investidores backstoppers, aqueles que haviam se comprometido a realizar aporte na empresa. Pelo aditivo, eles passam a poder declarar interesse no aumento até 31 de dezembro.

PUBLICIDADE

A Oi explica que o contrato de compromisso trazia condicionantes, que agora estão sendo renegociados. A extensão do prazo permitirá “continuar as negociações construtivas em curso com os Investidores Backstoppers necessários para obter dispensas a quaisquer condições não satisfeitas, estender as datas limites de certos eventos de término e eliminar a condicionalidade remanescente no compromisso dos Investidores Backstoppers em favor de um aumento de capital com plena garantia de subscrição”.

Para convencer os backstoppers a realizar o novo aporte, a Oi propôs a eliminação de uma taxa de emissão de ADS nos EUA, que se fosse cobrada, custaria US$ 0,05 por nova ADS. Com mais prazo, a companhia espera ser capaz de concluir as negociações a tempo e manter o interesse dos investidores.

Com isso, todo o cronograma correu. As sobras das ações emitidas para o novo aumento aumento de capital serão identificadas em 7 de janeiro. Em 8 de janeiro, a companhia vai divulgar o resultado da oferta de preferência. As novas ações devem ser emitidas em 11 de janeiro, e o pagamento por elas deverá se dar em 15 de janeiro. Em 21 de janeiro ocorre a emissão das sobras e também a negociação destas na B3. No exterior, as ADSs passam a ser negociadas livremente em 23 de janeiro.

Anterior Foco da regulação deve ser o usuário, e não a engenharia, defende TIM
Próximos Renovação automática de outorgas de frequências preocupa Abrint