O que falta para as indicações de Baigorri à presidência da Anatel e de Coimbra ao conselho?


 

O que ainda impede a indicação de Baigorri à presidência da Anatel e de Coimbra ao conselho?
Crédito: Freepik

As versões sobre os motivos reais para a demora na indicação dos nomes do conselheiro Carlos Baigorri para o cargo de presidente da Anatel e Artur Coimbra, secretário de telecomunicações do MCom, à cadeira sobressalente no conselho diretor da agências são várias. Mas dos comentários que circulam pelos bastidores de Brasília, uma parece ter mais força neste momento.

Segundo essa versão, há a interpretação jurídica por parte da AGU de que Baigorri não poderia ser alçado a presidente em sua vaga atual, havendo uma cadeira com mandato de cinco anos livre. O presidente da agência deveria ser indicado para este assento.

PUBLICIDADE

Aconselharam o Presidente, portanto, que o melhor cenário não seria indicar Baigorri para a presidência em complementação de mandato. O ministro Fábio Faria estaria empenhado em garantir que Baigorri assuma logo, e que Coimbra tome posse na cadeira com mandato de cinco anos.

Fonte do governo disse ao Tele Síntese que ainda nesta semana a indicação de ambos será oficializada no Diário Oficial, e que se costura forma de as sabatinas acontecerem ainda este ano. O tempo urge.

Outra versão que circula nos bastidores é que, com Baigorri na presidência da Anatel e Coimbra no Conselho, o ministro Fábio Faria se descompatibilizará da pasta das Comunicações em abril a fim de concorrer ao Senado pelo Rio Grande do Norte. Neste cenário, ele indica que o atual secretário de Radiodifusão, Maximiliano Martinhão, seja guindado ao posto de ministro.

Todo este cenário é visto como o mais provável no mercado, também.

Jogo político

Mas há outro rumor sussurrado, segundo o qual os técnicos Artur Coimbra e Maximiliano Martinhão não teriam vez. Nesta versão, o xadrez político ganha força em torno das articulações de Bolsonaro para as eleições de 2022. Por esta hipótese, Faria deixaria antes o MCom, com Baigorri na presidência da Anatel. A outra cadeira ficaria ainda sem ocupante, a ser apontado por um novo ministro, um político da base de apoio bolsonarista. A ver.

PUBLICIDADE
Anterior Enel defende ‘racionalização’ do compartilhamento de postes
Próximos Copel colhe resultados do programa de rede inteligente