Novo marco legal para CT&I segue para sanção


O plenário do Senado aprovou ontem à noite, 09, o Projeto de Lei PLC 77/2015 que institui o marco regulatório da ciência e tecnologia. A proposta regulamenta a Emenda Constitucional 85, que melhora a articulação entre estados e instituições de pesquisa. A matéria segue para a sanção presidencial.

O texto foi aprovado por unanimidade. Estabelece a possibilidade de utilização do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC) para ações em órgãos e entidades dedicados a ciência, tecnologia e inovação. Além disso, a proposição prevê a possibilidade de governadores e prefeitos estabelecerem regime simplificado, com regras próprias para as aquisições nessas áreas.

PUBLICIDADE

A proposta também permite aos pesquisadores em regime de dedicação exclusiva nas instituições públicas o exercício de atividades remuneradas de ciência, tecnologia e inovação em empresas. Possibilita ainda a professores das instituições federais de ensino exercer cargos de direção máxima em fundações de apoio à inovação, inclusive recebendo remuneração adicional.

O projeto dá tratamento aduaneiro prioritário e simplificado a equipamentos, produtos e insumos a serem usados em pesquisa. Permite também a concessão de visto temporário ao pesquisador sob regime de contrato ou a serviço do governo brasileiro, assim como ao beneficiário de bolsa de pesquisa concedida por agência de fomento.

A proposta prevê a prestação de contas uniformizada e simplificada dos recursos destinados à inovação, além de permitir que as instituições científicas autorizem que seus bens, instalações e capital intelectual sejam usados por outras instituições, empresas privadas e até pessoas físicas.

O projeto determina que servidores públicos, empregados públicos e militares sejam afastados de suas atividades para desenvolver projetos de pesquisa fazendo jus aos mesmos direitos e vantagens do seu cargo de origem. (Com Agência Senado)

PUBLICIDADE
Anterior Tarifa postal aumenta 8,9%
Próximos Faturamento do setor eletroeletrônico tem queda real de 10% em 2015