Nokia participa da rede 5G Standalone em Cingapura


A Nokia será uma das principais fornecedoras para rede 5G Standalone (SA) espectro 3,5 GHz para a StarHub, operadora de Cingapura. Ambas já eram parceiras para a implementação do 5G non-standalone que cobre o pequeno país asiático, ativado há seis meses. Por ordem do regulador do setor no país, porém, a partir de 1º de janeiro de 2021 as teles que arremataram o espectro deveriam iniciar a implementação de redes SA.

PUBLICIDADE

Segundo a Nokia, até o fim deste ano acontecerá o lançamento de um serviço de dados de 5G SA para clientes da operadora. Os testes estão sendo realizados na instalação Living Lab@PIXEL da IMDA, Autoridade de Desenvolvimento de Mídia e Infocomunicação de Cingapura.

Essa conectividade irá permitir à StarHub construir redes móveis seguras dotadas de tecnologia network slicing, que prevê múltiplas camadas de rede virtualizada, resultando na separação total de serviços transitados dentro de uma infraestrutura.

A arquitetura vai ter também os serviços de edge computing para para hospedar soluções baseadas em inteligência artificial, como serviços de reconhecimento facial e soluções IoT massivas.

Cingapura definiu os vencedores da licitação de espectro 5G em abril de 2020. O país irá direto para o 5G stand alone e a IMDA estabeleceu um prazo de lançamento da tecnologia a partir de janeiro de 2021. Todo o território deverá ter cobertura 5G até 2025.

Stand alone no Brasil

No Brasil, a minuta de edital 5G proposta pelo conselheiro da Anatel, Carlos Baigorri, provocou polêmica ao sugerir que as operadoras fossem direto para a implantação do 5G standalone.

Segundo Baigorri, isso ajudaria a aumentar a competitividade no mercado de telecom, já que “todos sairiam do mesmo ponto de partido”. Ele ainda argumentou que apenas o 5G puro poderia entregar baixa latência e comunicação massiva entre máquinas.

A Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint) e a TIM demonstraram-se favoráveis a decisão. Por outro lado, outras teles e parte da indústria defenderam que partir do standalone poderia encarecer e piorar a qualidade de serviços 5G para clientes, por exigir a completa renovação dos equipamentos. (Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Feninfra considera acertado pedido de vistas sobre análise do edital do 5G
Próximos Wirelink investe para se consolidar no mercado de redes neutras