Nokia anuncia novos cortes a fim de economizar mais € 700 milhões até 2020


O CEO da Nokia, Rajeev Suri (Foto: Divulgação)

A fabricante de equipamentos de redes Nokia anunciou hoje, 25, a ampliação de seu programa de redução de despesas. O objetivo da companhia finlandesa é economizar € 700 milhões até 2020. Isso porque no terceiro trimestre do ano voltou a registrar prejuízo, de € 127 milhões. O número é 33% menor que um ano antes, mas ainda preocupa, uma vez que as vendas seguem em queda. As receitas caíram 1% na comparação ano ano, e ficaram em € 5,45 bilhões no trimestre.

A Nokia já vem cortando gastos há três anos. Desde 2016 economizou € 800 milhões em gastos recorrentes. Até o final de 2018, a companhia estima cortar outros € 400 milhões. No período, foram feitas demissões, que vão continuar a ocorrer, conforme anunciado hoje pelo CEO Rajeev Suri. Ao fim de 2017, havia 103 mil funcionários na empresa.

Os cortes serão feitos na esteira da digitalização e automação dos negócios, simplificação de processos internos, venda de ativos (edificações). As demissões devem atingir com mais força as áreas de suporte e desenvolvimento de produtos legados. No campo de P&D, a Nokia promete foco em programas capazes de “gerar valor no longo prazo”. Em especial, tecnologias relacionadas a redes móveis 5G.

PUBLICIDADE

Reestruturação

De olho em novos segmentos a fim de diversificar as receitas, a Nokia resolveu reestruturar as unidades de negócio. Continuam a existir as unidades de Redes e de Licenciamento. Foi criada a unidade de Negócios Empresariais. A nova unidade será comandada por Kathrin Buvac, até então, chief strategy officer da Nokia. E se reportará diretamente ao CEO da companhia.

Segundo Suri, a criação da unidade permitirá à empresa continuar a atender as operadoras com qualidade, ao mesmo tempo em que abrirá as portas para oportunidades de negócio em grandes corporações carentes de “redes de categoria equivalente à das operadoras”. Ele afirma que as experiências em vender redes para empresas além das teles se provaram rentáveis até aqui. A nova estrutura corporativa começa a funcionar em 1º de janeiro de 2019.

Nova fábrica e acordo com Samsung

A companhia também aproveitou a divulgação dos resultados para anunciar o início da operação de uma nova linha de produção em sua fábrica na Índia. A partir de agora serão feitos por lá também estações radiobase 5G. Antes, a unidade produzia apenas equipamentos para redes móveis 2G, 3G e 4G. Além de atender ao promissor mercado indiano, a fábrica vai exportar para 100 países.

Além disso, a Nokia anunciou a renovação de seu acordo de licenciamento de patentes para a Samsung, que expiraria no final deste ano. As empresas não reveleram, no entanto, até quando durará o contrato. O início dos pagamentos de royalties por parte da Samsung será em janeiro.

Anterior TSE determina retirada de links em que Bolsonaro põe urna eletrônica em dúvida
Próximos STJ diz que Súmula 371 não se aplica a Programa Comunitário de Telefonia