Não Me Perturbe poderá englobar mais setores em 2022


Não Me Perturbe poderá englobar mais setores em 2022. Crédito: Freepik
Crédito: Freepik

Mais setores poderão ser incluídos no Não Me Perturbe em 2022, afirma o presidente da Conexis, Marcos Ferrari. O grupo irá convidar para participar da plataforma, que impede ligações de marketing de bancos e prestadoras de comunicações, os setores de varejo e telessaúde.

“Apesar de tudo, telecomunicações não está mais entre os que mais fazem ligações indesejadas na lista da Truecaller. Então, significa que o Não Me Perturbe funciona bem”, disse o presidente.

PUBLICIDADE

A plataforma fechou o ano de 2021 com 9,5 milhões de números de telefones cadastrados. Antes da criação do Não Me Perturbe, o setor de telecom respondia por 48% das chamadas de telemarketing. Em 2020, esse número caiu para 6%.

Ferrari defendeu regras mais fortes dentro do Sistema de Autorregulação das Telecomunicações (SART) a fim de que ele seja cumprido. Segundo ele, o Regulamento Geral de Direitos do Consumidor de Serviços de Telecomunicações (RGC), da Anatel, poderá ser mais responsivo à medida em que amadurece, uma vez que já existe o Serviço de Atendimento ao Consumido (SAC), argumenta. “Acreditamos que, de fato, conseguiremos fazer esse trabalho junto à Agência”.

Construção de regras no setor para LGPD

O presidente da Conexis também adiantou que o grupo tem se dedicado à elaboração de um guia de boas práticas em Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD). “Estamos trabalhando de maneira conjunta, todas as operadoras coordenadas pela Conexis, para termos um guia de boas práticas setorial de telecomunicações para LGPD”, conta Ferrari.

A ideia é que o guia também sirva para que outras companhias do setor não associadas à Conexis construam suas governanças de proteção de dados com base nele. O presidente, porém, não revelou quais as medidas sugeridas pelo guia para “não furar o grupo que está trabalhando”.

PUBLICIDADE
Anterior Itaú Unibanco passa a abrir conta via WhatsApp
Próximos Prefeitura de São Paulo e Fundação Lemann vão mapear qualidade da internet nas escolas