Na França, Sarkozy quer acabar com publicidade em TV e rádios públicas.


Enquanto no Brasil ainda se discute a forma de financiar a TV Pública nacional, o presidente da França, Nicolas Sarkozy confirmou ontem que, a partir de 2009, não haverá mais publicidade nas rádios e televisão públicas francesas. “Se os anúncios não são diferentes daqueles da tv privada, para que mantê-los?”, indagou o presidente. Isso significa …

Enquanto no Brasil ainda se discute a forma de financiar a TV Pública nacional, o presidente da França, Nicolas Sarkozy confirmou ontem que, a partir de 2009, não haverá mais publicidade nas rádios e televisão públicas francesas. “Se os anúncios não são diferentes daqueles da tv privada, para que mantê-los?”, indagou o presidente. Isso significa que o setor público perderá, logo de cara, € 800 milhões anuais, e precisará de mais € 1 bilhão para se manter funcionando, para produzir programas que ocupariam o espaço hoje preenchido pelos anúncios.

A primeira sugestão para manter o sistema público foi uma taxa mínima que seria paga pelos canais privados, que não concordaram em pagar esse subsídio.  Agora Sarkozy sugere que o financiamento venha de cerca de 1% a 2% dos preços das vendas todos os eletrodomésticos que servem para captar imagens: televisores, telefones móveis, computadores, dentre outros. Este mercado, de € 17 bilhões anuais, traria aportes entre € 170 milhões e € 300 milhões aos serviços públicos. A sugestão não agradou aos fabricantes de equipamentos eletrônicos, que consideraram o imposto “excessivo”.

PUBLICIDADE

Atualmente a televisão e rádio públicas se financiam, em 64,3%, graças a um imposto que se paga para possuir um televisor, (modelo semelhante ao inglês), que contribui com cerca de € 1,8 bilhão anual. Cada aparato dá € 116 ao Estado, com 80% deste valor destinado ao grupo France Télévisions e o restante entre a cadeia do Instituto Nacional do Audiovisual e Radio.

Analistas avaliam que a iniciativa do presidente parece improvisada e com o objetivo explícito de aumentar o bolo publicitário dos empresários das redes privadas, dentre eles Martin Bouygues e Vincent Bolloré, amigos pessoais de Sarkozy. De fato, o anúncio das medidas publicitárias desencadeou uma importante subida das ações das redes privadas na Bolsa, especialmente da TF-1, propriedade do grupo de Bouygues. (Da Redação, com noticiário internacional)

PUBLICIDADE
Anterior Sergio Rubinato Filho assume cargo de arquiteto na Unisys
Próximos Produtos da RIM Canada comercializados na América do Sul terão selo de qualidade do CPqD