MVNO da Assembleia de Deus, a MAIS AD, quer ser a maior do mundo em 10 anos


A operadora móvel virtual da Assembleia de Deus, a MAIS AD, lançada hoje, 01, em São Paulo, tem planos ambiciosos. A empresa, criada pela Movttel, enabler credenciada da Vivo e que tem entre os sócios Ricardo Knoepfelmacher, pretende se tornar nada menos que a maior operadora virtual do mundo em dez anos, e estar entre as principais em cinco.

O crescimento virá por um modelo de negócio que aposta no nicho religioso e aproveita o engajamento de voluntários para multiplicar sua base. Inicialmente, a empresa vendará chips apenas no estado de São Paulo. São 45 lojas, a maioria em templos. Mas estes estabelecimentos são uma fração da força de vendas, já que 400 voluntários, inicialmente, vão oferecer os chips porta a porta. Estes voluntários vão ganhar comissão de acordo com o sucesso de novos clientes conquistados. “Inclusive ateus”, brinca o pastor José Wellington Bezerra da Costa, presidente da Convenção que reúne todas as Assembleias de Deus do país. Novos interessados podem se cadastrar, aumentando a capilaridade da rede.

A Assembleia de Deus é hoje a maior igreja evangélica do país, com cerca de 23 milhões fieis, garante o pastor. Apenas no estado de São Paulo há 2,4 milhões de “assembleianos”. Os pastores da igreja também já começam a receber instruções para levar a Mais AD a seus templos, através de um sistema de franquias.

PUBLICIDADE

A organização em torno de um interesse comum – a Palavra, como dizem – é o que deve ajudar a MVNO a se estabelecer em um mercado ainda sem ninguém explorando o modelo de credenciamento, pelo qual a operadora dona da infraestrutura comissiona a enabler pela geração de tráfego. O contrato entre a Movttel e a Vivo tem vigência de 10 anos. A Vivo faz a tarifação e billing e fornece a infraestrutura. A Mais AD faz o marketing, vendas e desenvolvimento de produtos e aplicativos.

Na Mais AD, 50% do capital pertence à Movttel, e o restante a pessoas físicas e jurídicas ligadas à Assembleia de Deus. Além de impulsionar as vendas, a igreja vai contribuir e aprovar conteúdos que circularão nos serviços de valor adicionado da operadora. Entre os serviços estão Pedidos de Oração, Momento com a Bíblia, Testemunhos, Informativo Evangélico, localização de igrejas. Todo o conteúdo será feito pela Casa Publicadora da Assembleia de Deus, a editora da igreja. A segunda etapa do lançamento prevê lançamento de jogos com temas evangélicos e redes sociais para os Cristãos.

Quem vai comandar a empreitada é Raul Aguirre, diretor-geral da Mais AD, e que já passou pelos grupos Promon e Virgin Mobile Latin America. Ele também acredita no potencial da operadora pra se tornar uma gigante sem igual. Mas diz que neste ano a expansão ainda vai ser cautelosa. Prevê 1 milhão de clientes nos próximos 12 meses. “No caso da Assembleia de Deus, falar em um mercado de nicho, pelo tamanho e potencial, é algo que talvez não faça muito sentido”, defende. 

A Movttel também espera levar o modelo a outras igrejas. “A Assembleia de Deus tem relações com uma série outras igrejas, que chamam de irmãs, e com certeza de algumas delas sairão novas operadoras”, diz Aguirre. Para termos de comparação, a MVNO mais bem sucedida atualmente no mercado brasileiro é a Porto Seguro Conecta, que tem cerca de 370 mil clientes ativos, sendo 330 mil M2M e 40 mil pessoas.

Os planos ofertados são todos no pré-pago. A Vivo quer ver os resultados antes de liberar também sua plataforma pós-paga para a credenciada. Até o final de 2015, a Mais AD vai ativar linhas também no Rio de Janeiro e, depois, no resto do país. A expectativa é de receita de R$ 250 milhões até 2020. Há intenção de montar uma operação multinacional, com pontos na América Latina, Estados Unidos e Ásia, onde o MVNO possa ser explorado.

As ofertas trazem chamadas gratuitas entre números da Mais AD e da Vivo, em todo o país. O pacote semanal, com 75 MB de dados, 100 minutos de chamadas para celulares da operadora e SMS ilimitado custa R$ 6,90. Pacote apenas de dados custa de R$ 0,99 (15 MB por dia) a R$ 24,90 (600 MB por mês). O chip custa R$ 9,90.

 

Anterior Hispamar tem direito de exploração de satélite prorrogado até 2030
Próximos Projeto que mexe no Marco Civil para limpar a imagem é adiado pela Câmara