MP dá parecer favorável ao aditivo da Oi e quer 12 meses para fim da RJ


Imagem da assembleia virtual dos credores da Oi

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro emitiu parecer favorável à homologação pela Justiça do aditivo ao Plano de Recuperação Judicial do Grupo Oi, aprovado pelos credores na AGC (Assembleia Geral dos Credores) no dia 8 de setembro. Acesse a íntegra do documento.

Marques também requereu à 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro que seja fixado o prazo de 12 meses, a contar da aprovação, para o encerramento do processo judicial, podendo o mesmo ser prorrogado “até que se ultimem as providências relativas às alienações das UPIs [Unidades Produtivas Isoladas]”, Entre elas, a Oi Móvel, que já tem proposta de R$ 16.5 bilhões por parte do trio de concorrentes formado por Claro, Tim e Vivo.

No parecer de controle de legalidade apresentado à juíza Fabelisa Gomes Leal, o promotor de Justiça Leonardo Araújo Marques, da Curadoria de Massas Falidas, defende que “o aditivo prevê a alienação de importantes UPIs, uma das quais com enorme impacto para o interesse público, razão pela qual o Ministério Público não pode ficar insensível às peculiaridades do maior processo de recuperação do país”.

PUBLICIDADE

Encerramento antecipado

Com base nesses aspectos, Marques afirmou entender que o Juízo Recuperacional não está vinculado ao prazo sugerido pela Oi e aprovado pelos credores, podendo encerrar o processo tão logo se ultimem as providências relacionadas às alienações das UPIs.

O aditivo aprovado prevê que a Recuperação Judicial será encerrada em 30 de maio de 2022, podendo ser prorrogada por motivo de força maior identificado e aprovado pelo Juízo responsável após requerimento das recuperandas.

O aditivo prevê que a Highline terá o direito de última oferta da UPI Torres, e a Titan terá sobre a UPI Data Center, caso as propostas apresentadas pelas empresas não representem o maior preço de aquisição do âmbito de seus respectivos processos competitivos.

Sobre o assunto, o MP consigna que, “se houver a necessidade do exercício do Direito de Última Oferta, defenderá que esta guarde paridade com as demais alienações de UPIs previstas no aditivo, a fim de evitar futura alegação de abuso de direito”.

Anterior Conselheiro da Anatel enxerga dificuldades para mercado secundário
Próximos Anatel vai concentrar informações sobre obras de infraestrutura que podem ser compartilhadas