MiniCom dará R$ 4,5 milhões por aplicativos e games de interesse público


O Ministério das Comunicações publicou, nesta terça-feira (5), edital com o regulamento do Concurso de Aplicativos e Jogos Eletrônicos INOVApps, que vai selecionar 50 projetos inéditos e originais de aplicativos e jogos de interesse público (“serious games”, com conteúdo ligado a educação e saúde, por exemplo), com prêmios totalizando investimentos de R$ 4,5 milhões. Podem se inscrever pessoas físicas e empresas da área estabelecidas no Brasil. O prazo para as inscrições termina em 19 de setembro.

O INOVApps integra a Política Nacional de Conteúdos Digitais Criativos, que o MiniCom vem desenvolvendo ao lado de diversos órgãos municipais, estaduais e federais para expandir e fortalecer os segmentos produtores destes conteúdos no país. O objetivo é fomentar a criação de pequenas, médias e grandes empresas do setor, promovendo a integração do audiovisual com os setores relacionados a tecnologias e difusão das plataformas virtuais de distribuição.

Durante dois anos, a primeira versão dos jogos e apps selecionados ficará sob propriedade do MiniCom, que irá distribuí-los gratuitamente. Nesse período, os desenvolvedores terão a obrigação de entregar ao Ministério as atualizações da versão gratuita, mas, paralelamente, poderão lançar suas versões comerciais dos aplicativos.

PUBLICIDADE

Os projetos de apps e jogos sérios para dispositivos móveis e TVs digitais conectadas submetidos à seleção do InovApps devem ser compatíveis com pelo menos uma das seguintes plataformas: Android, Blackberry, iOS, HTML5, Middleware Ginga e Windows Phone.

Além disso, os projetos selecionados terão de ser concluídos num prazo máximo de 120 dias, contados a partir da data de depósito da primeira parcela da premiação. A premiação deve ocorrer em novembro.

Temas

As propostas deverão se enquadrar em um dos nove temas relacionados no edital:
-Direitos e defesa do consumidor;
-Educação / Ensino;
-Saúde;
-Mobilidade Urbana;
-Segurança Pública;
-Turismo e Grandes Eventos;
-Gestão colaborativa de utilidade pública;
-Tratamento de indicadores de políticas públicas (dados abertos);
-Difusão de campanhas de utilidade pública. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Telefónica oferta R$ 20,1 bilhões à Vivendi pela GVT
Próximos As marcas NET, Embratel e Claro vão continuar após a fusão