MinC vai distribuir ferramenta de gestão cultural do Instituto TIM


O Instituto TIM e o Ministério da Cultura um acordo de cooperação técnica que incentivará a adoção da solução Mapas Culturais por estados e municípios. A ferramenta – um software livre desenvolvido pelo Instituto TIM – permite o mapeamento colaborativo de ações, agentes, projetos e espaços culturais. Com a parceria, o MinC espera melhorar a gestão da cultura no Brasil, fazendo uma radiografia das iniciativas de cada cidade ou estado.

O Ministério da Cultura dará suporte, por meio da Coordenação Geral de Monitoramento de Informações Culturais, às secretarias que desejarem usar a plataforma em suas regiões. Com apoio do Instituto TIM, será oferecida formação à distância para as equipes técnicas. A solução já foi adotada pelo Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC), cadastro que todos os municípios e estados precisam fazer para implantar um sistema de cultura e, com isso, integrar o Plano Nacional de Cultura. Ao implementar Mapas Culturais, os municípios e estados poderão se integrar automaticamente ao SNIIC.

PUBLICIDADE

A aplicação Mapas Culturais foi criada pelo Instituto TIM em parceria com a Secretaria de Cultura do Município de São Paulo, o primeiro a adotar a plataforma (nomeada de SP CULTURA). Atualmente, a ferramenta também está em operação nos estados do Ceará (Mapa Cultural do Ceará), Rio Grande do Sul (Cultura RS) e Tocantins (Mapa Cultural do Tocantins), e nos municípios de Sobral-CE (Sobral Cultura), Blumenau-SC (Blumenau Mais Cultura), João Pessoa (JP Cultura), São José dos Campos-SP (Lugares da Cultura) e Santo André.

A ferramenta é sistema de georreferenciamento que pode ser adotado gratuitamente por qualquer cidade ou estado. É uma plataforma colaborativa e pode ser alimentada tanto pelo poder público – com a inclusão de informações sobre equipamentos culturais, programações oficiais, editais etc – quanto pela população em geral, que se cadastra como agente de cultura (individual ou coletivo) e pode divulgar suas próprias programações. O conteúdo pode ser desdobrado em aplicativos para smartphones e portais, facilitando ainda mais a interação com toda a sociedade. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Decreto com preço da migração AM para FM será assinado no dia 24
Próximos Comunicação unificada: economia e mudança de cultura na Dataprev