Microsoft cria site para financiamento coletivo esportivo


A Microsoft vai lançar em 7 de abril o site Coletivo do Esporte. A proposta da página é promover o financiamento coletivo de projetos esportivos no país. Tanto pessoas quanto empresas podem apoiar o esporte nacional com doações e receber benefícios de leis de incentivo.

Por enquanto, o site está em fase pré-operacional, com seis projetos cadastrados. Novas propostas de apoio a atletas de diferentes modalidades olímpicas devem ser incorporadas nos próximos dias.

As iniciativas listadas atualmente têm foco na formação de novos talentos olímpicos. São iniciativas dos medalhistas brasileiros Torben Grael, para treinar jovens no iatismo, no Rio de Janeiro; Janeth Arcain, para construção de um polo de basquete e cidadania na cidade de Bayeux (PB); Vanderlei Cordeiro, para a inclusão social por meio do atletismo; Bernardinho, paracolocar 500 crianças de escolas públicas em uma oficina de jogos e valores; Jackie Silva, para gerar oportunidades a partir do vôlei; e Robson Caetano, para reabrir o extinto e programa Futuro Campeão para introduzir crianças ao atletismo.

PUBLICIDADE

Cada projeto tem a sua história e metas, objetivos e resultados mostrados em página própria no site, assim como seu impacto social.

Segundo a Microsoft, o portal também contribui para disseminar o conhecimento da lei de incentivo ao esporte, que oferece abatimento fiscal em Imposto de Renda. Para pessoas físicas, o desconto devido será de 6%, e de 1% para pessoas jurídicas. O cálculo do benefício pode ser simulado pela calculadora fiscal disponível no portal. As formas de pagamento incluem cartão de crédito, depósito e boleto bancário pela Pagseguro.

A plataforma de financiamento Coletivo do Esporte usa tecnologia desenvolvida pela startup Civentis e tem apoio do Comitê Olímpico do Brasil (COB) e do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) na curadoria dos projetos participantes. (Com assessoria de imprensa)

Anterior PMDB rompe com governo. Pansera quer ficar no MCTI
Próximos Google entra no mercado de telefonia fixa