Mhnet compra a Creral e chega a 66 cidades do Rio Grande do Sul


Patrick Canton, CEO da Mhnet Telecom. Foto: divulgação.
Patrick Canton, CEO da Mhnet Telecom. Foto: divulgação.

A Mhnet Telecom concluiu o processo de aquisição da Creral Telecom, empresa localizada na região do Alto Uruguai, no Rio Grande do Sul. Com a compra, a catarinense incorpora 13 mil clientes à sua base e assume o atendimento nos 41 municípios em que a gaúcha estava presente. O valor não foi informado.

Com 25 mil km de backbone em fibra ótica, a Mhnet Telecom atende agora 66 cidades do Rio Grande do Sul, resultado de sua estratégia de ampliação da rede onde já atua e expansão para novos municípios. A empresa investiu em infraestrutura nas regiões sul e sudeste. A Creral é a 12ª incorporação realizada pela empresa no período de 2 anos.

PUBLICIDADE

Segundo levantamento da Anatel de 2021, a Mhnet está entre as nove empresas líderes em banda larga fixa por município. Fundada em 2002, em Maravilha (SC), a telecom se mostra agora presente em mais de 150 cidades. Alcança mais de 265 mil clientes em Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo e Mato Grosso do Sul,  tem expectativa de fechar o ano com 300 mil clientes.

Novo foco

O alto ritmo de crescimento tem novo foco. De acordo com Patrick Canton, CEO da Mhnet, a próxima expansão de atendimento no Estado é para Caxias do Sul, em uma operação orgânica.

“Temos uma forte presença de market share no Rio Grande do Sul e ele continua sendo um Estado com muito potencial para mais crescimento. Em Erechim, por exemplo, temos 40% do mercado de telecomunicações. Vacaria vem logo atrás, com a Mhnet dominando 35% do município”, afirma Canton.

Além disso, a empresa controla de 15 a 17% do mercado em outras cidades gaúchas, como Bento Gonçalves, Gravataí, Passo Fundo e Santa Cruz do Sul. “A próxima cidade gaúcha com atendimento da Mhnet será Caxias do Sul, em uma expansão orgânica impulsionada pelos investimentos que fizemos na região”, complementa o CEO.

Anterior Nubank e Creditas fazem parceria
Próximos Leilão pode "escorregar" para a primeira quinzena de novembro