Mexer no TAC agora pode fazer sumir o dinheiro da banda larga, diz secretário


 

André Borges| Encontros Tele.Síntese 51 - 21/11/17 – Brasília-DF | Foto: Gabriel Jabur
André Borges| Encontros Tele.Síntese 51 – 21/11/17 – Brasília-DF | Foto: Gabriel Jabur

Para as operadoras e entidades que estão reclamando as obrigações acordadas entre a Anatel e a Telefônica em seu Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que está em fase final de revisão, por orientação do TCU, o secretário de Telecomunicações do MCTIC, André Borges, disse hoje durante o Encontro Tele.Síntese, realizado em Brasília: “É preciso não demorar em debates e perder o prazo. Se o prazo vencer, as multas vão ser inscritas na dívida ativa da União”.

E aí não vai ter investimento em banda larga, nem nas infraestruturas e cidades definidas pela Anatel e questionadas pelos concorrentes, grandes e pequenos, nem em lugar nenhum, como lembrou o secretário de Telecomunicações. Sem entrar no mérito da escolha das localidades — Borges disse que essa definição é prerrogativa da Anatel, já respondendo à Telcomp que questionou a autoridade da agência para isso —, ele afirmou que não se pode abrir mão do único dinheiro público disponível de fato, no curto prazo, para investir em banda larga.

PUBLICIDADE
Anterior Rio de Janeiro atinge meta e sinal analógico de TV será desligado
Próximos Abrint volta a pedir que dinheiro dos TACs vá para fundo garantidor