Metaverso impactará a educação nos próximos anos


Usuário com óculos de realidade virtual. (Foto: flickr.com/photos/bagogames/)

Óculos de realidade virtual e experiências imersivas que buscam surpreender o usuário não faltam nos pavilhões da Fira Gran Via. Essas experiências aliadas à conectividade permite muitas possibilidades além da simples transposição do físico para o virtual. Nesse ambiente de novidades e possibilidades, o metaverso impactará a educação nos próximos anos, garantes os especialistas.  Algumas das possibilidades foram apresentadas por empresas durante os quatro dias de MWC22.

Uma das demonstrações do estande da Ericsson antecipa o ano de 2026, para o qual prevê aulas imersivas na universidade. O cenário que ele propõe é o seguinte: em uma sala de aula todos os alunos usam óculos de realidade estendida e a professora, que está viajando de trem, pode dar a aula como se estivesse presente. Ela aparece como um holograma e os alunos também têm o assunto em estudo em segundo plano, neste caso um tipo de planta herbácea. “Ferramentas mais imersivas começarão a ser usadas na educação e é aí que as fronteiras entre digital e virtual começarão a se confundir”, diz Eric Blomquist, diretor de execução de estratégia da Ericsson.

PUBLICIDADE

A Telefônica anunciou na feira uma iniciativa por meio de seu acelerador Wayra para encontrar startups relacionadas ao metaverso. O Open2metaverse terá como alvo projetos que lidam com conectividade, dispositivos, mundos virtuais, identidade digital ou NFT. A empresa também chegou a um acordo de colaboração com a Meta nesta área e estabeleceu o cargo de chief metaverse officer, atribuído a Yaiza Rubio. Aulas virtuais

O gerente da Orange, Michaël Trabbia, destaca o campo de treinamento para o uso do metaverso. “A educação é muito interessante como um caso de uso, porque você pode aprender de forma mais rápida e eficiente graças à realidade virtual e aumentada, por exemplo, em áreas como anatomia. Você pode descascar a pele e ver todos os órgãos do corpo ou como o sangue se move.”

No seu estande, a Telefônica oferece uma visita virtual à catedral de Notre-Dame, assim como era antes do incêndio que sofreu há três anos. Em poucos minutos a pessoa pode ter uma aula de história e arquitetura de mãos dadas com a imersão digital.

Esses tipos de experiências são o que a startup coreana Marvrus busca integrar em sua plataforma. É um mundo virtual dedicado à educação. Danny Cho, seu chefe de estratégia, explica por que eles fazem isso do expositor sul-coreano. “É voltado para a geração alfa, entre 8 e 15 anos. Esse segmento da população tem um comportamento de aprendizagem muito diferente do nosso. Eles estão muito mais acostumados a passar o tempo no espaço virtual. Eles estão acostumados a plataformas como Minecraft, Roblox e Fortnite. Acredito que a educação tem que ir buscá-los onde quer que estejam”.

A plataforma, chamada Meemz, poderia passar por um videogame. Você dirige um avatar e pode ir para diferentes locais, que no futuro serão aulas ou experiências virtuais para potencializar o aprendizado. “Estamos no Mobile World Congress para encontrar parceiros com quem podemos trabalhar para fazer uma expansão global. Em algo tão específico quanto a educação, precisamos de especialistas para introduzir conteúdo”, esclarece Cho.

Futuro do metaverso

A Ericsson deixa claro que a capacidade de socializar será essencial. Em seu cenário para 2030 ele mostra o caso de uma pessoa que está sozinha em seu apartamento no Ano Novo. “Graças à comunicação holográfica, sua família pode estar presente e celebrá-la em seu espaço. Do ponto de vista dela, sua família estaria em sua sala de estar, e na casa de sua família, ela estaria com eles”, diz Blomquist.  Marvrus tem sua própria visão para os próximos anos.

A empresa coreana atualmente constrói metaversos personalizados para clientes que o solicitam. Mas também pretende oferecê-lo, com padrões de design e desenvolvimento, para que qualquer pessoa possa criar seu próprio metaverso com pouco conhecimento de programação. Uma espécie de template para fazer metaversos, como WordPress com páginas web.

A jornalista viaja a convite da Huawei. 

 

 

PUBLICIDADE
Anterior Ação quer vedar o uso de reconhecimento facial pelo Metrô de São Paulo
Próximos Iniciativa ajuda organizações na digitalização