Mercado de computadores tem retração de 5% no 1º tri


O mercado brasileiro de computadores encolheu 5% no primeiro trimestre do ano, conforme estimativas da consultoria IDC Brasil. Foram vendido no período 1,26 milhão de unidades, das quais, 381 mil eram desktops e os 887 mil restantes, notebooks.

O desempenho se deve à maturidade do mercado a ao aumento de preços resultante do fim dos incentivos da Lei de Informática. As vendas de notebooks para o usuário doméstico, por exemplo, caíram 8% no primeiro trimestre de 2019.

PUBLICIDADE

“Viemos de dois anos seguidos de alta, com forte crescimento nas vendas de portáteis. É natural, portanto, uma demanda menos agressiva. Além disso, tem a questão preço. Os notebooks ficaram, em média, 14% mais caros, consequência do fim dos incentivos da Lei de Informática e do dólar mais alto”, pondera Wellington La Falce, analista da IDC Brasil.

No mercado corporativo, também houve queda. “A queda do mercado de computadores no setor corporativo foi de 6%, movimento puxado para baixo pelo governo, que retraiu 30% em relação ao primeiro trimestre de 2018. Tivemos não apenas uma troca de governo, mas uma mudança radical de gestão e o período de avaliação antes de novos investimentos já era esperado”, afirma La Falce.

Preços e previsão para o ano

Em termos de preços, os computadores para o usuário doméstico ficaram em média 10% mais caros do que no primeiro trimestre de 2018, provocando um aumento de 7% na receita e um faturamento de cerca de R$2 milhões.

No mercado corporativo, o preço médio ficou 21% mais alto e o faturamento foi de cerca de R$1,4 bilhão, 15% maior do que no mesmo período do ano passado. Segundo o analista da IDC, a alta de 21% deve-se, basicamente aos notebooks, que ficaram 14% mais caros no período, e à retração do governo, já que o ticket das compras deste setor é mais baixo e puxa a média do corporativo para baixo.

O cenário para os próximos meses não deve sofrer mudanças significativas e a projeção para 2019 é de um crescimento de 1%, com vendas de 5,6 milhões de unidades de computadores.

Segundo La Falce, os gamers suavizaram a queda do mercado de PCs no primeiro semestre e tudo indica que seguirão comprando desktops e contribuindo para os resultados do setor de consumo. O mercado educacional também deve reagir aos impulsos de inovação e renovar o parque instalado, assim como a preocupação com a segurança de dados e a preparação para a adequação à LGPD deve provocar uma atualização de máquinas nas instituições de ensino. O governo, por sua vez, ainda que retome as compras no segundo semestre, deve ser de forma conservadora. E o setor privado, embora dependente de decisões do governo que injetem ânimo e segurança, deve reagir mais rapidamente. (Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Apesar de melhora na confiança da indústria, Abinee vê incertezas
Próximos MPF vai investigar se há prática de censura pelo YouTube